Doutor Jairo

Busca: saúde mental

A síndrome de burnout é caracterizada por sentimento de exaustão, queda do desempenho profissional e desmotivação - iStock
Indivíduos com altos níveis neuróticos são mais propensos a experimentarem emoções negativas - iStock
A "síndrome do ninho vazio" pode causar tristeza, raiva, falta de sono e de apetite, entre outros sintomas - iStock
Se acordou há mais de 20 minutos, vá para outro cômodo e faça algo tranquilo - iStock
Sucos de frutas vermelhas são ricos em antioxidantes; cuidado com os prontos, que podem ser ricos em açúcar - iStock
Narcisistas acreditam que estão destinados à grandeza e se acham naturalmente especiais - iStock
Uma sugestão é usar a conexão com seu corpo para acalmar seus pensamentos - iStock
A síndrome de burnout é caracterizada pelo sentimento de exaustão e desmotivação - iStock
Há pessoas cuja ansiedade é desencadeada pelo pensamento de serem separadas de alguém que amam - iStock
Vivemos em um mundo onde nada é garantido e tudo pode mudar em um piscar de olhos - iStock
Além de reduzir o desejo sexual, a depressão pode fazer uma pessoa se sentir triste, sem esperança e cansada - iStock
O estilo de vida afeta a memória, por isso, vale a pena ter uma alimentação saudável e praticar exercícios - iStock
Sensação de grandiosidade, necessidade de admiração e falta de empatia são características comuns - iStock
O exercício físico não promove apenas a saúde física, mas também a mental - iStock
Confira as dicas de Jairo Bouer - iStock
Segundo a OMS, 264 milhões de pessoas ao redor do mundo sofrem com transtornos de ansiedade - Arte
A ansiedade pode se manifestar de diferentes maneiras e afetar a qualidade de vida de uma pessoa - iStock
A Organização Mundial de Saúde estima que cerca de 4% da população adulta mundial tenha o TDAH - iStock
Quando nos sentimos solitários, a mesma região do cérebro que “acende” quando sentimos fome é ativada - iStock
Mulheres com mais autocompaixão tinham paredes mais finas da artéria carótida e menos acúmulo de placas - iStock
Tanto os exercícios aeróbicos quanto treinamento com pesos parecem ajudar a tornar os cérebros mais flexíveis - iStock