Doutor Jairo
Leia » Consumo consciente

Por que não se deve misturar álcool e remédio?

O álcool age no sistema nervoso central, assim como antidepressivos, ansiolíticos e outros remédios
O álcool age no sistema nervoso central, assim como antidepressivos, ansiolíticos e outros remédios - iStock

Jairo Bouer Publicado em 20/03/2021, às 13h00

Por que não é uma boa ideia beber álcool se você faz uso de remédios, principalmente aqueles que têm ação em nosso cérebro, tais como antidepressivos, ansiolíticos, estabilizadores de humor, anticonvulsivantes e antipsicóticos, entre outros?

Você deve lembrar que o álcool é uma substância que age em nosso sistema nervoso central, e que parte das alterações de comportamento que as pessoas têm depois de consumir bebida alcoólica tem a ver com as ações dele em nosso cérebro.

Álcool e remédios que agem no sistema nervoso

Os pesquisadores costumam explicar que o álcool é um depressor do sistema nervoso, já que ele pode diminuir nossos reflexos e nossa velocidade de tomar decisões. Em doses mais elevadas, ele leva ainda à sonolência e à dificuldade de avaliar o que acontece à nossa volta. Não é à toa que a gente enfatiza o tempo todo a importância do consumo responsável, dentro dos limites de cada um, como forma de evitar problemas. 

Assim, se você está fazendo uso de algum medicamento com ação no sistema nervoso e decide beber, o risco de potencialização de efeitos é maior (por exemplo, mesmo com doses mais baixas de bebida alcoólica, você fica embriagado mais rápido), e também, aumenta a chance de enfrentar efeitos colaterais indesejados.

De uma maneira geral, a recomendação é não misturar álcool e remédios com efeito psicotrópico. Se você está usando um medicamento específico há algum tempo, está bem, sem efeitos colaterais e decide ir a uma festa para beber um pouquinho com os amigos, é muito importante que você discuta com seu médico esta questão para que ele explique exatamente o que você pode e o que você não pode fazer. Não tome decisões por conta própria.

Anticoncepcionais, antibióticos e outros

Mas não são apenas os remédios com ação no sistema nervoso central que exigem cuidado na associação com o álcool. Outros medicamentos (e a lista é grande) também exigem atenção. Assim, anticoncepcionais, anti-inflamatórios, antibióticos, entre outros, não impedem o uso de bebida, mas podem necessitar de atenção e cuidados especiais, por isso, toda vez que você está usando qualquer remédio e quer beber, converse com o especialista antes.

O álcool tem metabolização no fígado (lá que acontece boa parte do seu processo de degradação) e muitos dos compostos dos remédios também passam por esse processo hepático. Daí, a importância de não sobrecarregar esse órgão, que é um dos grandes “filtros” do nosso organismo.

Vários medicamentos irritam nosso estômago, aumentam a chance de vômitos, alteram nossa excreção renal (aumentam, por exemplo, nossa eliminação de água na urina), e todos esses processos podem impactar na forma como nosso corpo vai reagir ao álcool consumido.

Portanto, vale a seguinte máxima: use o Whatsapp ou o telefone do médico para tirar suas dúvidas sobre beber (e que cuidados deve tomar) caso decida ingerir álcool se quando estiver usando qualquer tipo de remédio.

Quer saber mais sobre consumo responsável? Você encontra informações no site DRINKiQ.

Ouça também: