Doutor Jairo
Testeira
Colunas / José Roberto Miney » Sexo

Você transaria com um(a) robô sexual?

Robôs sexuais animados por inteligência artificial estão cada vez mais perfeitos
Robôs sexuais animados por inteligência artificial estão cada vez mais perfeitos - iStock

José Roberto Miney Publicado em 03/05/2021, às 09h28

Com o avanço da tecnologia, muitas opções de “bem-estar sexual” começaram a ser oferecidas, como sexo a distância, dispositivos íntimos controlados pela internet, bonecos masculinos e femininos realistas, feitos de material agradável ao toque. Agora é a vez de a inteligência artificial animar robôs humanoides cada vez mais perfeitos. Mas também de suscitar os mais diversos tipos de reações em relação a essas criações.

Brinquedos sexuais: o prazer ao alcance da mão, literalmente

Não faz muito tempo, falar de brinquedos sexuais era uma coisa muito reservada. Ou não se contava nada a respeito para os outros ou o assunto circulava em círculos muito íntimos. Vergonha, medo da censura alheia, o temor do moralismo...

Hoje, a situação parece ser outra. Já é comum que diversas celebridades femininas declarem o uso, talvez para aumentar a aura de sensualidade associada a essas mulheres bonitas e atraentes.

Vibradores”, “sugadores de clitóris”, são palavras que não causam mais espanto. Tanto que, recentemente, saiu uma reportagem noticiando que a rainha Elizabeth II reconheceu um fabricante, Lovehome, por seu “crescimento contínuo” (sem duplo sentido).

A coisa vem de longe

Embora pareçam algo do mundo contemporâneo, os brinquedos sexuais são mais antigos do que a maioria das pessoas imagina. Uma equipe da Universidade de Tübingen descobriu em uma caverna ao sul da Alemanha um dildo de siltito (um tipo de rocha), datado em cerca de 28 mil anos.

[Colocar ALT]
Falo de 28.000 anos - Hannes Wiedmann / Wikimedia Commons

A peça polida foi reconstituída a partir de fragmentos, mede 20 cm de comprimento e 3 cm de largura. Embora os pesquisadores a considerem uma representação do órgão sexual masculino com atributos simbólicos, como fertilidade, por exemplo, não descartam a possibilidade de o artefato ter sido utilizado para fins de “entretenimento íntimo”.

Esse artefato parece marcar o início da linha do tempo dessa série, que está pontuada de criações. Há desde dildos esculpidos em jade e feitos de bronze (China antiga), até mesmo os de pão enrijecido (Grécia antiga), anéis penianos (os precursores parecem datar de cerca de 1.200 anos atrás), passando por vibradores a manivela, a vapor e, finalmente, elétricos.

Merece destaque uma invenção do final século XIX, chamada “Horse Exercise Machine” (“Máquina de Exercícios Equestres”, em tradução livre), que contava com o aval de nobres e personalidades da época. Como o próprio nome indica, simulava movimentos de cavalgada e era indicada, entre outras finalidades, para aliviar a “tensão”. Se fosse hoje, a palavra teria perdido o “n” e mudado de gênero... Detalhe: uma versão atualizada era vendida pela Amazon.

Para encerrar esta série, não se poderia deixar de citar o mais célebre dos vibradores, o Rabbit, que ganhou notoriedade por ter sido usado pela personagem Charlotte, de “Sex and the City”.

A inteligência artificial vai para a cama

A reunião de tecnologia e solidão pode ter desdobramentos inesperados. Uma reportagem do New York Times relata o caso de um rapaz japonês, Akihito Kondo. Cansado de não ter sucesso com as garotas, ele se casa com uma popular cantora, Hatsune Miku, capaz de levar as plateias ao delírio. Só que ela é... um holograma, que recebe o marido com boas-vindas, projetada dentro de uma redoma de vidro, em tamanho menor.

Hatsune Miku e seus fãs entusiasmados

Também do Japão são a Vibratex, criadora do “Habbit”, e algumas empresas que oferecem bonecas e bonecos sexuais realísticos, conforme anúncios na internet.

[Colocar ALT]
Roboô sexual com IA - Reprodução / Youtube

Partir desses produtos para a criação de robôs sexuais animados por inteligência artificial, capazes de sussurrar palavras doces e, principalmente, gemer, não foi preciso dar um passo muito grande.

Alguns modelos podem trocar de corpos e, segundo um dos principais fabricantes, não oferecem apenas sexo, mas também companhia. Por enquanto, ainda custam mais de 10 mil dólares. Por isso, estão sendo feito tentativas de criar “budoares”, com robôs para alugar, mas que encontram resistência por parte de muitos países e essas casas são logo fechadas.

Contudo, nem tudo são flores, ou, melhor dizendo, circuitos eletrônicos, nesse mundo robótico. Uma reportagem da BBC traz um alerta a respeito: “Pesquisadores americanos alertaram que a disponibilidade de robôs sexuais com inteligência artificial (IA) representa uma crescente ameaça psicológica e moral aos indivíduos e à sociedade”, em que cientistas e pensadores dizem ser necessário um controle mais rigoroso por parte de agências governamentais.

O desfecho dessa questão pertence ao futuro. Mas basta retroceder não muitos anos para se deparar com dois clipes protagonizados por um menino e uma menina, respectivamente, cantando: “Sou uma boa criança. Uso o computador com as duas mãos sobre a mesa”. Era uma campanha espanhola contra a masturbação.

Veja também: