Doutor Jairo
Testeira
Colunas / Lilian Akemi Ota » Dermatologia

Coceira no corpo: o que pode ser?

Coceira causada por ressecamento é uma das queixas mais frequentes no consultório do dermatologista - iStock
Coceira causada por ressecamento é uma das queixas mais frequentes no consultório do dermatologista - iStock

Lilian Akemi Ota Publicado em 30/01/2022, às 12h00

A pele é o maior órgão do nosso organismo e são inúmeros os fatores que podem provocar prurido ou coceira. Nesta matéria citaremos os problemas mais frequentes de coceira e porque ela acontece.

Ressecamento de pele

Essa talvez seja a principal causa que chega aos consultórios do dermatologista e muitas vezes a pessoa nem desconfia.

O tecido cutâneo é um órgão extremamente dinâmico, cuja função principal é atuar como barreira protetora do organismo contra o meio exterior. Dessa forma, a pele nos protege contra as mudanças climáticas e do ambiente como calor, frio, vento, sol e poluição. Além disso, protege das invasões causadas por germes de todos os tipos (fungos, bactérias, esporos, etc), por isso é fundamental manter a pele hidratada para que essa função de barreira seja realizada de forma adequada.

A pele resseca quando, de alguma forma, a camada, ou manto lipídico, está diminuída. Essa camada é formada por vários tipos de gorduras como colesterol, ácidos graxos e ceramidas. Quando ela diminui, nossa pele fica exposta e sofre ressecamento em graus variados, que pode ser notado como descamação leve até quadros mais severos, acompanhados de vermelhidão, coceira e escoriações.

Além disso, fatores como água quente, banhos demorados, buchas e sabonetes inadequados podem agravar o quadro de ressecamento, trazendo mais vermelhidão e ardência. Dessa forma, banhos rápidos e mornos, sem buchas e com sabonetes neutros, associados ao uso diário de hidratantes, de preferência sem perfume, vão garantir uma pele hidratada e saudável.

Vale lembrar que a hidratação também dependerá da ingestão adequada de água. Assim, uma pessoa adulta deve beber no mínimo 8 copos de água por dia.

Alergias 

Na maioria dos casos, as alergias podem se apresentar de duas formas :

- localizada (dermatite alérgica de contato): ocorre quando alguma substância, em contato com a pele, devido a algum de seus componentes, leva à irritação com consequente quadro de dermatite, que pode se expressar com coceira, vermelhidão e até bolhas no local de contato com a pele.

As causas comuns são produtos como esmaltes, maquiagens, perfumes, limão e produtos de limpeza. A gravidade do quadro vai depender do tempo de exposição, suas repetições, e da sensibilidade da pessoa afetada.

Nesses casos, afastar o agente causador é fundamental. Como tratamento, podem ser utilizados cremes à base de corticoesteroides, hidratação da área afetada e, se necessário, antialérgicos orais.

- generalizada: as alergias também podem ocorrer no corpo todo e são comumente causadas devido à ingestão de alimentos como camarão, amendoim e corantes de alimentos como balas, doces e medicamentos. O quadro pode ser extenso, abrangendo desde couro cabeludo, face, tronco e membros.

Pode-se apresentar de forma muito variada desde pequenas lesões avermelhadas, vesículas ou bolhas,  até placas urticadas e eritema (vermelhidão) generalizada. Na maioria dos casos, coceira intensa é uma das principais queixas. Nessas situações, medidas mais severas devem ser tomadas, como a utilização de corticoides injetáveis ou orais, associados, ou não, a anti-histamínicos. Casos mais severos podem necessitar de internação.

Assim, evite tomar medicamentos desnecessariamente e sem indicação médica precisa. É importante saber que qualquer medicamento pode levar a um quadro alérgico, mesmo quando a pessoa já toma esta medicação há muito tempo.

Confira: 

Infecções

Existe uma vasta quantidade de germes que parasitam e infectam a nossa pele causando pruridos.

 - sarna ou escabiose: causada por um ácaro (Sarcoptes scabei) que perfura a pele, se reproduz e produz ovos dentro epitélio. O contágio é feito através de pessoas contaminadas, roupas pessoais ou de cama, ou locais onde a pessoa dormiu ou sentou contaminados. Os sintomas podem aparecer em cerca de 3 a 15 dias após o contágio. A movimentação do ácaro em nossa pele, juntamente com a  produção de dejetos metabólicos e a ovoposição, provocam irritação com formação de pápulas (bolinhas), vesículas ou lesões urticadas que costumam coçar muito.

Em geral, esses germes dão preferência às áreas quentes do corpo, como axilas, entre os dedos das mãos e pés, abaixo da mamas, nas mulheres, virilhas e glúteos. A coceira costuma ser mais  intensa à noite e pode provocar escoriações e sangramentos.

O tratamento tópico é realizado através de aplicações com substâncias acaricidas, como a permetrina, deltametrina e benzoato de benzila, durante 3 dias seguidos, e retirados no banho pela manhã. Este tratamento dever ser repetido após 7 dias.

A ivermectina oral também está indicada e deve ser calculada dependendo do peso da pessoa acometida.

Recomenda-se a lavagem de todas as roupas de cama e de uso pessoal e passagem de ferro quente. Não é necessário ferver as roupas.

- pediculose pubiana (chato) ou de couro cabeludo (piolho): essa doença é causada por um inseto, denominado de Pthirus púbis que se fixa à haste do pelo pubiano no homem ou na mulher e se alimenta de sangue. É considerada uma IST (infecção sexualmente transmissível).

Costuma provocar coceira intensa com escoriações na área afetada. O tratamento é semelhante ao da sarna, podendo-se também utilizar xampus à base de lindano. Está indicada também a raspagem dos pelos na região afetada.

- pediculose de couro cabeludo (piolho): causada também por um inseto (Pediculus humanus capitis) que coloca seus ovos nas hastes dos fios dos cabelos. Esses ovos eclodem em cerca de 3-14 dias. Cada inseto produz cerca de 300 ovos (lêndeas). O inseto adulto vive cerca de 3 a 4 semanas. Também sobrevivem sugando o sangue da pessoa acometida, provocando, assim muita irritação e coceira.

Alojam-se em todo o couro cabeludo e também costumam picar a região da nuca e parte posterior do pescoço, provocando muita coceira nessa região.

O tratamento é basicamente o mesmo através  de ivermectina oral e as soluções tópicas e xampus já citadas acima.

De grande importância é saber que as lêndeas devem ser totalmente retiradas através de pentes finos. Como é impossível saber ao certo se elas ainda são viáveis ou não, a retirada de cada uma delas é fundamental para garantir a cura.

Essa retirada pode ser feita de seguinte forma: dilua 3 colheres de sopa de vinagre em 1 litro de água morna  e aplique nos cabelos. Espere 5 min e passe o pente fino. Lave os cabelos em seguida com o xampu específico e depois seque com secador, passando novamente o pente. O vinagre e o ar quente do secador desprendem as lêndeas mais facilmente.

- larva migrans (bicho geográfico): extremamente comum nesta época quente, quando as pessoas costumam ir muito à praia. É causado por um verme (Ancylostoma) que parasita o intestino de cães e gatos infectados. Também podem estar presentes nas areias de parques onde as crianças costumam brincar e que também são frequentados por esses animais.

As larvas ficam depositadas na areia e, ao pisar ou sentar, elas perfuram e penetram a pele, iniciando assim seu ciclo evolutivo. No local de picada costuma formar uma “bolinha” vermelha semelhante a picada de inseto. Em seguida, após 1 ou 2 dias, a larva caminha formando trajetos tortuosos, daí o nome de bicho geográfico. Quase que a totalidade das pessoas infectadas se queixam de coceira insuportável.

O tratamento é realizado à base de vermicidas, como a ivermectina oral, mebendazol oral ou tópico e, também, o tiabendazol.

Mesmo com a morte do agente, a coceira pode, ainda, persistir por alguns dias, devido ao processo inflamatório formado. Para alívio, os anti-histamínicos são indicados.

- tungíase (bicho de pé): causada pela infestação de fêmeas grávidas de uma espécie de pulga (Tunga penetrans). O parasita penetra a pele e coloca seus ovos. Mais comuns nas áreas rurais onde existam criação de animais.

A lesão característica é pequena bolinha de halo mais claro com ponto mais escuro central. Ocorre principalmente nas regiões plantares, mas também entre os dedos. Não costuma doer,  porém, na maioria dos cados, o prurido é bastante intenso. O tratamento consiste na retirada manual com agulha estéril. As lesões variam de poucas a dezenas, dependendo do grau de infestação. O hábito de andar descalço favorece a infecção e deve, portanto, ser evitado; não só pelo risco de contrair uma tungíase, mas também pelo tétano, que pode penetrar no organismo ao encontrar uma facilitação para sua entrada (no caso a picada da pulga).

Confira:

Micoses

Essa é outra causa infecciosa de coceira na pele, dessa vez causadas pelos fungos.

Podem acometer todos os seguimentos da pele e até cabelos e unhas, e frequentemente a coceira está presente. Muito comuns quando atacam os pés, são popularmente conhecidos por frieiras ou pé de atleta.

Os fungos são micro-organismos que têm seu crescimento favorecido em ambientes quentes e úmidos. Assim, devido ao suor e abafamento de áreas cobertas como pés, virilhas e axilas, associados a hábitos de higiene não muito saudáveis, a micose pode ocorrer.

Esse é um fungo extremamente comum e está presente em todos os lugares, desde tapetes, chão de banheiros, enfim, lugares públicos e com grande circulação de pessoas.

Podem se apresentar nos pés, como descamação e formação de pequenas vesículas que se rompem rapidamente e formam mais descamação. Nas outras regiões, podem surgir placas vermelhas ou escuras que formam figuras rendilhadas ou em forma de círculos. A coceira varia de pouca a muito intensa.

O tratamento deve ser realizado com cremes, loções ou sprays antifúngicos e, dependendo do grau, recomenda-se o tratamento oral associado.

- pitiríase versicolor ou pano branco, micose de praia ou piscina: também causado por um fungo (Malazessia furfur) que parasita o folículo piloso, formando lesões de cor variável, desde esbranquiçadas a vermelhas ou acastanhadas, em geral arredondadas, que podem confluir formando enormes placas com descamação fina, presentes em qualquer área do corpo.

O tratamento consiste também na aplicação de loções, xampus ou sprays antifúngicos e/ou comprimidos.

Cuidados de higiene pessoal são fundamentais. Hábitos como trocar as meias e roupas íntimas diariamente, deixar os calçados no sol para secar o suor, não andar descalço em locais públicos, nunca andar com tênis ou sapatos fechados sem meias de algodão, e não manter roupas de banho ou de ginástica suadas por muito tempo no corpo são de grande importância para a prevenção deste tipo de doença cutânea.

Outro detalhe de extrema importância, em nosso país, é o horário de tomar banho. Como vivemos em um país tropical, é imprescindível que o banho de higiene seja feito quando voltamos para casa após uma jornada de trabalho ou da escola, pois, durante o dia, o corpo sua (mesmo que em pequena quantidade) e existem também outras glândulas que secretam substâncias, principalmente nas regiões das dobras corporais (axilas, virilhas, glúteos). Assim, o banho da tarde ou da noite é o mais importante para retirar o suor do corpo, pois, se não o fazemos, vamos para cama suados e, dessa forma, com o aquecimento do corpo ao dormir criamos um ambiente adequado para o crescimento fúngico.

Picada de percevejo (cimidíase)

É causada por um inseto que se alimenta de sangue, também conhecido como percevejo de cama. São encontrados em camas de hotéis, pousadas e casas, sofás, bancos públicos, bancos de ônibus e de aviões.

As pessoas infectadas costumam apresentar lesões avermelhadas edematosas e lineares, que podem aparecer no corpo todo. A coceira, em geral, é bastante intensa.

O tratamento consiste basicamente na aplicação de cremes à base de corticoesteroides e, se necessário, antialérgicos orais.

Entretanto, é fundamental a identificação do local afetado e dedetização da área, evitando, assim, a recorrência do problema.

Doenças inflamatórias cutâneas

Abrange uma gama enorme de patologias cutâneas. Algumas serão brevemente citadas aqui:

- dermatite atópica: doença cutânea crônica, geralmente se expressa na infância com graus variados de descamação, vermelhidão e coceira. Muitas vezes uma infecção secundária bacteriana está presente devido à coçadura.

Tipicamente, acomente a região central da face, tronco, e regiões flexurais dos braços e pernas. De importância vital é a realização correta do diagnóstico. Orientações quanto ao banho e hidratação melhoram o quadro, que pode durar até a fase adulta.

- psoríase: doença eritemato descamativa.  Formam-se escamas aderidas brilhantes ou esbranquiças comumente nos cotovelos, joelhos e outras áreas expostas a traumas, como mãos e pés, podendo afetar, porém, qualquer região do corpo, inclusive o couro cabeludo.

- líquen rubro plano: caracterizado por pápulas arroxeadas (pequenas bolinhas planas) que podem formar placas em alguns lugares da pele. Costuma coçar bastante. Sua causa é desconhecida mas às vezes associa-se a problemas endócrinos, como diabetes ou alterações da tireoide.

Existem centenas de causas para  a pele coçar. Dessa forma, caso tenha algum desses sintomas, procure um dermatologista, que é o médico especialista capacitado para dar o diagnóstico e o melhor tratamento para o problema.