Doutor Jairo
Leia

Sedentarismo aumentou com Covid-19 e isso pode gerar mais mortes

None

Da Redação Publicado em 07/12/2020, às 13h55

Muita gente diminuiu bastante seu nível de atividade física por causa da pandemia. Mas pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) alertam: esse aumento do sedentarismo observado nos primeiros meses de Covid-19 pode resultar em mais de 11,1 milhões de novos casos de diabetes tipo 2 por ano, além de 1,7 milhão de mortes em todo o mundo.

Os dados foram apresentados em um estudo que acaba de ser publicado na revista científica Frontiers in Endocrinology.

Crédito: iStock

Mais sedentarismo, mais mortes

Os autores deixam claro no artigo que é “urgente” recomendar a prática de exercícios físicos, uma vez que pessoas com diabetes têm risco maior de ter a forma grave da Covid-19.

O trabalho, que teve financiamento da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), contou com dados de um levantamento internacional feito na internet por instituições de pesquisa de diferentes países.

Os resultados preliminares, com base em 1.000 voluntários, indicam uma redução de 35% no nível de atividade física por causa da quarentena, bem como aumento de 28,6% nos comportamentos sedentários, como passar mais tempo sentado e deitado. Além disso, os participantes contam que passaram a ingerir mais alimentos não saudáveis durante o isolamento social.

Ao analisar dados anteriores à pandemia, os pesquisadores estimaram que a prevalência atual de sedentarismo é de 57,3% entre a população com mais de 40 anos, e de 57,7% entre indivíduos com risco de diabetes. Com base nisso, eles chegaram aos números de novos casos e mortes associadas aos últimos meses.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que adultos de 18 a 64 anos de idade devem praticar ao menos 150 minutos de exercícios aeróbicos moderados por semana, ou 75 de alta intensidade. Também é recomendado fazer pausas do computador ao longo do dia para fazer alguma atividade como andar pela casa ou subir e descer escadas.

Se mexer também evita depressão e ansiedade

É importante destacar que esses exercícios simples, que podem ser adicionados à rotina diária, também ajudam a melhorar o humor e a concentração. É o que confirma um estudo publicado semana passada pelo Instituto de Tecnologia Karlsruhe e pelo Instituto Central de Saúde Mental, na Alemanha, e publicado no periódico Science Advances.

O trabalho, que contou com 150 pessoas e exames de ressonância magnética, mostrou que atividades como subir escadas fazem as pessoas terem mais energia e bem-estar, e isso ainda ajuda a evitar transtornos como depressão e ansiedade.

Em resumo, para manter a saúde e o bom humor, você não precisa ir para a academia nem se tornar um atleta. Basta colocar um alarme na mesa de trabalho para fazer algumas pausas para se exercitar, e fazer caminhadas ao longo da semana.

Leia mais:

Fabio Assunção analisa efeitos de atividade física no emocional; será que alivia a ansiedade?

Atividade física age como escudo contra o estresse materno, mostra estudo feito na pandemia