Pular para o conteúdo

Bulimia, anorexia e dismorfia corporal: associação é frequente, alerta estudo

Da Redação

14/10/2020 13:19




Pessoas com transtornos alimentares, como bulimia, compulsão alimentar ou anorexia, são 12 vezes mais propensas a se preocupar com pequenos “defeitos” na aparência física do que pessoas sem esses transtornos, de acordo com um estudo britânico.

A obsessão por falhas percebidas no corpo, como aquele “pneuzinho” ou aquela falta de definição muscular que ninguém mais percebe, só a própria pessoa, é chamada de dismorfia corporal, ou transtorno dismórfico corporal. É como se a pessoa tivesse uma autoimagem distorcida, e passasse a se preocupar o tempo todo em mudar esse detalhe que incomoda.

malhacao 1024x576 - Bulimia, anorexia e dismorfia corporal: associação é frequente, alerta estudo
Crédito: Pixabay

Transtornos andam juntos

O estudo, que avaliou 1.600 frequentadores de academias de ginástica, recrutados aleatoriamente nas mídias sociais, ajuda a dar uma dimensão de como os dois tipos de transtornos estão conectados.

Quem é obcecado por esses “defeitos” no corpo pode apelar para estratégias que não são saudáveis, como seguir dietas radicais ou fazer jejuns, algo que pode levar à anorexia nervosa. Essas pessoas também podem buscar comportamentos compensatórios quando exageram na comida, como provocar vômitos, tomar laxantes ou exagerar na malhação, atitudes típicas de quem sofre de bulimia.

Os pesquisadores da Universidade Anglia Ruskin, na Grã Bretanha, descobriram que 30% dos frequentadores de academia entrevistados apresentavam sintomas de transtornos alimentares. E eles notaram que 76% desses indivíduos também sofriam do transtorno dismórfico corporal.

Leia mais:

Transtornos alimentares, borderline e vontade de morrer: conheça a história de Júlia

Estudo traz conselhos úteis para quem sofre de compulsão alimentar

Mais mulheres (mas não só)

Os resultados também indicaram que as mulheres são mais propensas à dismorfia corporal. Mas os autores do estudo dizem não ter encontrado uma associação significativa entre a condição e o uso de mídia social, algo que outros trabalhos têm sugerido. Vale acrescentar que é cada vez mais comum encontrar homens com transtorno dismórfico corporal, e eles também arriscam a vida ao usar anabolizantes e fazer dietas radicais.

Os resultados, publicados no periódico científico Eating and Weight Disorders, ressaltam a importância de se prestar mais atenção nessa preocupação excessiva com a imagem corporal. Além de causar ansiedade e afetar a qualidade de vida, o transtorno dismórfico pode ser ainda mais perigoso se estiver associado a transtornos alimentares, que são potencialmente fatais.

Veja também:

Saiba mais:

Álcool e drogas atrapalham tratamento dos transtornos alimentares

Esqueça a ideia de que transtorno alimentar é coisa só de menina magra

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS