Doutor Jairo
Leia » Comportamento

Alô, alô! Vamos transar?

Sexo por telefone; coisa do passado?
Sexo por telefone; coisa do passado? - iStock

Redação Publicado em 04/04/2021, às 16h00

Nestes tempos de pandemia e isolamento social, pode se tornar um desafio ter uma vida sexual para quem está só. A tecnologia oferece algumas alternativas, mas usar o telefone para encontros sexuais pode ser uma delas e não menos divertida, embora um pouco estranha.

Quem ainda não é expert no assunto, pode ter algumas dúvidas, tipo: o que se diz durante o sexo por telefone? Quando acaba, simplesmente desliga? Mas, um dado importante: experimentar faz parte da diversão!

Comecemos pelo começo

Afinal, o que é sexo por telefone?

Pode parecer uma pergunta boba, mas vejamos o que disse Lori Michels, uma terapeuta sexual certificada, à revista SELF, dedicada a saúde e bem-estar: “Sexo por telefone é uma conversa entre indivíduos, por meio desse aparelho, consentindo que desejam estimular e ser estimulados”. Ainda de acordo com a terapeuta, sexo por telefone pode incluir conversas de voz, chat de vídeo ou até mesmo “sexting” [a ação ou prática de enviar fotos ou mensagens sexualmente explícitas via celular].

Apesar de certas pessoas zombarem do sexo por telefone, Michels defende que pode ser uma maneira de cultivar a intimidade em um relacionamento. Essa atividade requer que “duas pessoas aumentem seu conforto e suas habilidades em relação à expressão verbal”. Assim, enquanto estão “brincando”, você pode estar “flexionando os músculos da comunicação”, que ajudarão outras partes do seu relacionamento também.

E como são as “preliminares”?

É meio óbvio, mas fazer um ótimo sexo por telefone começa com uma conversa. “Eu encorajaria as pessoas a serem francas e transparentes”, orienta Michels sobre como abordar o assunto. “Garanta que você está realmente tendo consentimento”, prossegue ela.

Se você for uma pessoa muito segura de si, pode partir diretamente para o pedido de consentimento, de um jeito até entusiasmado. Em caso de timidez, pode enviar um texto de flerte, dando uma dica de que gostaria tentar algo novo e esperar a reação do outro lado. Se for positiva, pergunte se quer continuar.

O que vale é deixar o outro lado bem à vontade para um “sim” ou “não”, a fim de ambos terem clareza do que estão a fim. Esse tipo de conversa é uma espécie de jogo de tentativa e erro, sem ficar muito na “defensiva” e nem tampouco no “ataque”.

Antes, durante e depois do sexo por telefone: algumas dicas para você

Não sabe por onde começar? Pergunte a você mesmo sobre o que gosta e não gosta

A terapeuta sexual explica que pode ser um desafio comunicar seus desejos se você não souber quais são. Portanto, se pergunte o que te excita e o que não. 

Palavras e frases que te excitam (seja específic@)

Se tem dificuldade para falar do que gosta no sexo por telefone, use exemplos de livros, músicas e filmes. sugere Michels.  Quanto mais mais fácil for para você conseguir terminar frases como “Eu gosto quando ...”, mais fácil será compartilhar essas coisas durante o sexo por telefone.

Sexo por telefone fica melhor em um lugar calmo e reservado

“Se você pode fazer sexo espontâneo por telefone, vá em frente!, diz Mitchels.  Mas se você mora com outras pessoas, precisa de privacidade, planeje!. Encontre uma hora e um lugar que permita você falar (ou fazer coisas) abertamente sem perturbar outros ao seu redor.”

Bom, muitos de vocês, leitores, dirão: “É mesmo?”

Carregue a bateria de seu telefone

Verifique se carregou seu telefone (ou outros dispositivos) e se está em algum lugar com um bom serviço telefónico ou Wi-Fi. Imagine ficar sem bateria quando a coisa esquentar...

Crie um clima

Usar uma roupa sensual, luz de velas e coisas assim ajudam a entrar no clima. Se gosta desse tipo de coisa, vá em frente!

Brinquedos sexuais.

Brinquedos sexuais estão cada vez mais populares e seu uso admitido publicamente. Alguns deles permitem que sejam controlados à distância. Se a outra pessoa não ver problema e até gostar da ideia, por que não?

 Não está curtindo? Pare!

Consentimento não é algo que se obtém ou se dá no início. Vale para todo o encontro telefônico. Ninguém é obrigado a fazer o que não quer e nem ter “o melhor” desempenho possível.