Doutor Jairo
Leia » Saúde

Tempo de sono pode impactar no uso de cannabis e álcool, segundo estudo

Pesquisa foi feita com pessoas entre 18 e 27 anos
Pesquisa foi feita com pessoas entre 18 e 27 anos - iStock

Redação Publicado em 09/06/2021, às 10h00

Um estudo recente feito com adolescentes e jovens adultos mostrou que vários fatores relacionados ao tempo do sono estão associados a um maior risco de uso de cannabis e consumo excessivo de álcool durante o ano seguinte.

De acordo com os resultados, quem tem maior preferência pela madrugada também demonstra uma maior probabilidade de usar cannabis no ano seguinte. Já quem prefere o final da noite, apresenta sonolência durante o dia, bem como horários de sono tardios no fim de semana e menor duração do sono durante a semana e no final dela, podendo apresentar um risco maior de consumo excessivo de álcool no ano seguinte.

Para realizar o estudo, os pesquisadores analisaram dois tipos de pessoas: alunos do ensino fundamental e médio, com idade variando entre 12 e 18 anos, e estudantes de graduação entre os 18 e 27 anos. Os resultados mostraram que ter um tempo de sono variado apontava o uso de maconha apenas em alunos do ensino fundamental e médio, enquanto ter diferentes padrões do sono apontava o consumo excessivo de álcool nas duas amostras.

"No geral, os resultados sugerem que os adolescentes no ensino fundamental e médio podem ser mais vulneráveis ​​ao uso de substâncias", disse o autor principal do estudo, Brant P. Hasler.  "O padrão de sono na amostra do ensino fundamental e médio é consistente com o 'desalinhamento circadiano' causado pelos horários matutinos da escola."

Confira:

Hasler ainda continuou dizendo que o sono é um comportamento modificável e talvez mais fácil de alterar do que ir atrás do uso de substâncias diretamente. "Além disso, outros estudos mostram que adolescentes em idade universitária estão mais dispostos a ouvir sobre como mudar seu sono do que mudar seu uso de substâncias. Assim, focar em melhorar o sono dos adolescentes — inclusive atrasando os horários de início das aulas — pode ser uma abordagem subutilizada, mas eficaz para reduzir o risco de uso problemático de substâncias".

Os dados do CDC mostram que apenas 25% dos alunos da 9ª à 12ª séries dormem o suficiente em uma noite escolar normal, e os horários de início da escola são um fator associado ao sono insuficiente em adolescentes. A Academia Americana de Medicina do Sono recomenda que o horário de início do ensino fundamental e médio seja por volta das 8h30 ou até mais tarde, para garantir uma oportunidade adequada para os adolescentes obterem sono suficiente.

Problemas de sono, como duração insuficiente, horários irregulares e insônia também são comuns entre estudantes universitários, e esses problemas estão associados a sintomas de ansiedade e depressão.

Assista também: