Pular para o conteúdo

Redes sociais: uso excessivo na pandemia é associado à depressão

Jairo Bouer

30/09/2020 22:01




Não consegue parar de checar as redes sociais para saber as novidades sobre a Covid-19? Talvez esteja na hora de colocar um freio nesse hábito. Um estudo associa o uso exagerado das plataformas para se informar sobre a pandemia à depressão e ao trauma secundário, ou seja, aquele que uma pessoa pode ter quando alguém próximo vive uma situação traumatizante.

Pesquisa em Wuhan

O trabalho foi conduzido por pesquisadores das universidades do Estado da Pensilvânia, nos EUA, e de Jinan, na China. Eles avaliaram uma amostra de 320 habitantes de distritos urbanos de Wuhan, onde começou a proliferação do novo coronavírus.

Durante o mês de fevereiro, auge da crise no local, os participantes responderam a uma série de perguntas sobre a forma como acessavam e compartilhavam informações de saúde com familiares, amigos e conhecidos nas redes sociais, em especial no WeChat, o aplicativo de envio de mensagens mais popular da China (similar ao nosso WhatsApp).

Suporte emocional e informações

Os pesquisadores perceberam que o uso das mídias sociais foi recompensador até certo ponto, já que forneceu suporte emocional e informações importantes para os usuários em relação à Covid-19. Mas o uso excessivo da plataforma com essa finalidade específica resultou em problemas de saúde mental, de acordo com eles.

A equipe usou um instrumento criado para medir a dependência do Facebook para avaliar o uso do WeChat pelos participantes. A pesquisa também avaliou sintomas de depressão, ansiedade e estresse. Além disso, registrou as mudanças de comportamento relacionado à saúde adotadas como resultado desse uso da mídia social, como lavagem de mãos e uso de máscaras.

Depressão e trauma

Mais da metade dos entrevistados relatou algum nível de depressão, sendo que 20% estavam com depressão moderada ou grave. Vale destacar que nenhum dos participantes relatou qualquer transtorno depressivo ou trauma antes da realização da pesquisa.

O trauma secundário foi medido a partir de declarações como “Meu coração dispara quando penso na epidemia de coronavírus” e “Tenho sonhos perturbadores sobre o coronavírus”. Entre os que apresentaram o quadro, 80% tinham níveis baixos, 13%, moderados, e 7%, níveis elevados.

Os resultados, publicados no peródico Computers in Human Behavior, mostram que fazer pausas no uso das mídias sociais pode promover o bem-estar durante a pandemia, o que é crucial para mitigar os danos à saúde mental que todas as preocupações relacionadas à Covid-19 já têm trazido.

Saiba mais:

Como a pandemia pode afetar a saúde mental das pessoas 

Ansiedade: meninas e jovens brasileiras foram as mais afetadas na pandemia

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS