Pular para o conteúdo

Inseguranças com o corpo atingem maioria das pessoas, segundo levantamento

Da Redação

19/11/2020 13:36




As inseguranças com o corpo são algo comum, especialmente entre os mais jovens, mas elas não têm idade para aparecer. Com o uso das redes sociais e o frequente acesso às figuras públicas aumenta ainda mais essa pressão individual por um corpo perfeito que, muitas vezes, não existe nem mesmo fora das telas.

O levantamento “Vamos falar sobre sexo: 2020” realizada pelo Badoo, um dos maiores aplicativos de relacionamento, revelou que 63% dos entrevistados se sentem inseguros com seus próprios corpos quando se comparam com os corpos que veem na mídia, na cultura popular e nas redes sociais. A idealização de altos padrões, muitas vezes construídos com a ajuda de filtros e programas de edição colabora para que as pessoas se sintam mais insatisfeitas com o que está no espelho.

Isso não acontece só com os anônimos, os famosos e influenciadores também acabam por sentir essa pressão pelo padrão de beleza ideal, resultando em inseguranças com o corpo. Exemplo disto é Maisa Silva, que relatou: “Todo mundo tem [inseguranças]. Acho importante reforçar tendo tanta gente nova, aqui. Todo mundo tem, até aquela pessoa que a gente acha a mais perfeita. E está tudo bem…Se amar não significa ser livre de inseguranças, o importante é analisar se isso está saudável ou não para você, a maneira como você lida com isso é o x da questão”.

insegurancas corpo - Inseguranças com o corpo atingem maioria das pessoas, segundo levantamento
Crédito: Freepik

Ainda de acordo com o levantamento do Badoo, a maioria (60%) dos participantes tem preocupações relacionadas ao tamanho ou aparência de seus órgãos genitais e se eles parecem ‘normais’. Em meio à ampliação de debates sobre diversidade e importância da auto aceitação, outro dado que chama a atenção é o fato de que 58% das mulheres já recusaram sexo porque não estavam em dia com a depilação. “No Brasil, quando se trata de relacionamentos, tanto homens quanto mulheres sentem que devem aderir a altos padrões idealizados pela grande mídia”, exemplifica Martha Agricola, Diretora de Marketing do Badoo no Brasil.

Como trabalhar essa insegurança

Tentar combater essas inseguranças com o corpo é importante para aumentar a autoestima e bem-estar. Para isso o National Eating Disorders Association, nos EUA, e a Associação Brasileira de Transtornos Alimentares oferecem algumas dicas estimular uma relação mais saudável com o próprio corpo.

  1. Faça uma lista das coisas que você gosta em si mesmo(a): alguma parte do corpo, algum atributo psicológico, ou algo de bom que você fez por alguém. Tente se lembrar delas ao se olhar todos os dias no espelho.
  2. Lembre-se que a beleza não é ditada somente pela aparência. Quem se sente bem no próprio corpo ou tem consciência de seus pontos altos têm mais segurança, e isso também é atraente.
  3. Use roupas confortáveis e que valorizem o que você tem de melhor (ainda que você não tenha saído muito de casa ultimamente).
  4. Quando bater a angústia, conte com sua rede de apoio: converse com familiares, amigos ou com alguém que esteja passando pela mesma situação que você. Não tenha vergonha de pedir ajuda.
  5. Se você não consegue se desligar da preocupação com o corpo e arrisca a própria saúde com exageros nos exercícios, jejuns, vômitos, abuso de laxantes ou de medicamentos para ficar mais magro ou mais forte, consulte um médico!

Saiba mais:

Encanação com o corpo dificulta o prazer no sexo casual

Crianças de 4 anos já podem se achar gordas, revela um levantamento

Pais não devem criticar o peso das filhas, sugere estudo

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS