Doutor Jairo
Leia » Covid-19

"Escapada" ao exterior, como de Dória, no Canadá causa onda de renúncias

Em sentido horário: Kamal Khera (alto, à esq.), Jeremy Nixon, Tracy Allard e Jason Stephan deixaram seus cargos políticos no Canadá após terem viajado durante o isolamento
Em sentido horário: Kamal Khera (alto, à esq.), Jeremy Nixon, Tracy Allard e Jason Stephan deixaram seus cargos políticos no Canadá após terem viajado durante o isolamento - Reprodução/Twitter/Facebook

Guilherme Ravache Publicado em 05/01/2021, às 19h28

No Canadá, o combate à Covid é coisa séria. Então, nada mais natural que as autoridades também sigam as regras rígidas impostas pelo governo. Mas alguns políticos, por diferentes razões, optaram por “furar” o isolamento e viajar para fora do país. Agora, se tornaram alvo de críticas e estão sendo forçados a renunciar a cargos ou relegados ao ostracismo. 

Ou seja, no Canadá, a regra vale para todos. E mais, figuras públicas que não as seguem sofrem consequências imediatas, como a perda dos cargos públicos. Como um brasileiro vivendo no Canadá, confesso ser surpreendido com reações tão viscerais, algo impensável no Brasil. A “escapadinha” do governador João Dória para Miami foi alvo de críticas, mas foi algo rapidamente superado. 

Políticos canadenses estiveram desde Massachusetts a Barbados e até de Delaware a Portugal.  Já são mais de 18 políticos em apuros por terem feito alguma viagem para fora do Canadá durante o período da Covid-19, apesar das restrições.

Férias no Caribe

Abaixo, uma descrição dos recentes acontecimentos envolvendo políticos e viagens internacionais. 

Tudo começou com a viagem do ministro das finanças de Ontário, Rod Phillips, durante o isolamento imposto no Canadá por causa da Covid. Em férias em Saint Barts, no Caribe, Phillips até postou fotos em suas redes sociais diante de uma lareira enquanto estava viajando. Descoberto, o político foi convocado a retornar imediatamente para o Canadá e logo após sua chegada renunciou. 

Quando confrontado no Aeroporto Pearson de Toronto em 31 de dezembro, Phillips chamou isso de "erro estúpido".

A raiva pública também foi dirigida ao premier Doug Ford de Ontário - apesar de sua condenação pública pela decisão de Phillips - quando ficou claro que Ford sabia sobre as férias há duas semanas.

“Naquela época, eu deveria ter dito 'leve seu traseiro de volta para Ontário' e não fiz isso”, disse Ford.

Liberais e conservadores

Em 3 de janeiro, a parlamentar de Brampton West Kamal Khera twittou que ela "se afastaria" de seu papel como secretária parlamentar do ministro do Desenvolvimento Internacional após visitar Seattle, Washington, em 23 de dezembro, para um memorial privado para seu tio e pai; ambos faleceram nos últimos meses.

“Minha decisão de concorrer como membro do Parlamento nasceu, em última análise, do meu desejo de servir à minha comunidade”, escreveu Khera no comunicado. “Portanto, estou optando por concentrar meus esforços na preocupação mais urgente em nossa luta contra o Covid-19; para garantir que possamos vacinar o maior número de pessoas possível, o mais rápido possível.”

Em 4 de janeiro, enquanto ainda estava no exterior, o membro do parlamento de Ontário David Sweet renunciou ao cargo de presidente do Comitê de Acesso à Informação, Privacidade e Ética da Câmara dos Comuns. O conservador também anunciou que não concorrerá novamente nas próximas eleições federais.

De acordo com o partido, Sweet viajou para os EUA para lidar com uma "questão de propriedade", mas depois ficou "para lazer", sem contar à líder conservadora Erin O’Toole.

ALBERTA

Depois de inicialmente recusar-se a disciplinar os membros de seu governo por viajarem para o exterior, conforme surgiam revelações de “viajantes”, em 4 de janeiro o primeiro-ministro de Alberta, Jason Kenney, emitiu uma declaração descrevendo uma série de sanções e rebaixamentos para membros de seu governo.

“Os habitantes de Alberta têm todo o direito de esperar que as pessoas em cargos de confiança pública cumpram um padrão mais elevado de conduta”, disse a declaração de Kenney. “Milhões de albertenses fizeram sacrifícios reais nos últimos dez meses para ajudar a manter uns aos outros seguros. Eles estão certos em ficar com raiva de pessoas em cargos de liderança que estão de férias fora do país. ”

Férias no Havaí, México ou EUA

A ministra de Assuntos Municipais, Tracy Allard, que passou férias no Havaí, renunciou ao cargo, anunciou o primeiro-ministro de Alberta.

A conta de Allard no Instagram postou um vídeo dela entregando uma mensagem de feriado em frente de uma árvore de Natal no Edifício Legislativo de Alberta, enquanto ela estava fora de 19 a 29 de dezembro - ela nega que tenha tentado  “esconder” sua localização.

Outros políticos foram destituídos de suas funções adicionais, como participação em comitês, por viajarem para o exterior em meio à pandemia.

No final de 1º de janeiro, a emissora CTV Calgary confirmou que outro político, Jeremy Nixon, também estava de férias no Havaí e voltaria no "primeiro voo disponível" após ser informado para retornar para casa, de acordo com o escritório do premiê.

O primeiro-ministro de Alberta aceitou a renúncia de Nixon como secretário parlamentar da sociedade civil. Ele também aceitou a renúncia de Jason Stephan do Conselho do Tesouro, por causa de sua viagem internacional.

Pat Rehn, parlamentar da região do Lago Lesser, também viajou para o México e perdeu sua posição no comitê legislativo.

As fotos dele no Facebook, em uma caverna mexicana desejando às pessoas um feliz Natal, foram amplamente compartilhadas online, junto com outras postagens pedindo aos habitantes de Albert que ficassem em casa e salvassem vidas.

Tanya Fir, membro da assembleia legislativa em Calgary-Peigan, viajou para os EUA para visitar sua irmã. Ela se desculpou e voltou ao Canadá, mas perdeu suas responsabilidades no comitê.

Em 2 de janeiro, a CTV Calgary confirmou que  Jason Stephan, da assembleia legislativa de Red Deer-South, também viajou para os EUA e está "voltando para Alberta de acordo com a diretriz do premier".

Stephan manteve sua decisão de viajar para o exterior em um comunicado no Facebook:

"Eu apóio indivíduos e famílias que têm a liberdade de escolher por si próprios se viajam ou não, desde que respeitem os outros ao fazê-lo. A viagem internacional, por si só, não afeta negativamente a curva Covid de Alberta se for feita de forma responsável, " ele escreveu.

"Não me considero uma exceção às diretrizes de saúde. Nunca pedi aos albertanos para fazerem coisas que eu mesmo não faria - e isso inclui não viajar." Ele também perdeu sua posição no comitê legislativo.

O mesmo aconteceu com Tany Yao. Um porta-voz da convenção do Partido Conservador Unido disse ao CTV News por e-mail, em 3 de janeiro, que Yao estava “atualmente” no México. “Estamos tentando entrar em contato com ele para aconselhá-lo a retornar de acordo com a diretriz do premier”, disse o comunicado.

Kenney também aceitou a renúncia de seu chefe de gabinete, James Huckabay, que viajou para o Reino Unido e voltou pelos Estados Unidos. “Esses indivíduos demonstraram um julgamento extremamente pobre”, disse o primeiro-ministro de Alberta.

Dois secretários de imprensa do ministério da educação também estavam de férias no Havaí depois que fotos deles apareceram em uma praia. Desde então, eles excluíram suas contas de mídia social.

Na quarta-feira, o CTV News Edmonton informou que Michael Forian, secretário de imprensa do Ministro da Educação de Alberta, foi flagrado em uma foto com outro funcionário aparentemente de férias no Havaí para o Natal.

Em fotos compartilhadas no Instagram, Forian aparecia uma praia com o braço em volta de uma mulher identificada como Eliza Snider, secretária de imprensa do ministro da educação superior. Mais tarde, Forian deletou suas duas contas de mídia social após receber críticas às fotos.

Não está claro quando as fotos foram tiradas e nem o escritório do premier nem o secretário de imprensa do ministério da educação responderam ao pedido de comentários.

O escritório do conservador Ron Liepert, de Alberta, também confirmou que ele viajou duas vezes desde março, uma durante o atual intervalo parlamentar, para Palm Desert, Califórnia, para lidar com "questões essenciais de manutenção de casas".

"Não houve nenhuma viagem não essencial e ele cumpriu todas as orientações de saúde pública, incluindo o programa de teste de fronteira de Alberta, cada vez que viajou", disse por meio de comunicado.

MANITOBA

Em 1º de janeiro, a parlamentar Niki Ashton viajou para o exterior para visitar um membro da família doente na Grécia, o que Ashton mais tarde confirmou em um tweet.

A liderança do partido disse que não estava ciente da viagem e que Ashton não os havia informado de suas intenções antes de partir.

O partido declarou no comunicado que, embora fossem "simpáticos" à situação de Ashton, ela seria removida de suas funções mais relevantes no futuro.

Em 4 de janeiro, o senador conservador Don Plett fez uma viagem pessoal ao México durante as férias e agora está em quarentena em sua casa no estado de Manitoba.

“O senador Plett viajou para o México em 28 de dezembro, ao chegar refletiu sobre sua decisão de viajar e imediatamente fez os preparativos para voltar para casa em 31 de dezembro”, disse a porta-voz Karine Leroux. Esta foi a única viagem fora do Canadá que Plett teria feito desde março de 2020, de acordo com seu escritório.

QUEBEC

O parlamentar Pierre Arcand e sua esposa voltaram para casa em Quebec na sexta-feira, 1º de janeiro, após serem vistos na região de Glitter Bay em Barbados. Arcand se desculpou pela viagem e disse que "lamenta" ter feito isso, mas disse que não renunciaria.

Arcand afirma que ele e sua esposa fizeram o teste de Covid-19 antes de partirem de Quebec e novamente ao chegarem em Barbados.

Em 4 de janeiro, o Partido Liberal de Quebec anunciou que Arcand seria destituído de suas funções no gabinete.

Youri Chassin também foi flagrado visitando o Peru. Seu partido divulgou um comunicado dizendo que sua viagem foi planejada para encerrar os procedimentos de imigração de sua esposa, que ele não via há um ano.

Em 3 de janeiro, o parlamentar Sameer Zuberi revelou em um comunicado no Twitter que ele e sua família haviam viajado para os Estados Unidos em dezembro para visitar o avô de sua esposa, cuja saúde estava piorando.

“Eu reconheço que viajar durante este período, quando tantos estão limitando as interações com entes queridos, foi um erro de julgamento. Peço desculpas aos meus constituintes pela decepção que posso ter causado ”, escreveu ele. Ele voltou em 31 de dezembro e está em quarentena desde então.

Sameer acrescentou que se afastaria de suas funções de comitê, que incluem participar de um subcomitê de direitos humanos internacionais, relações exteriores e desenvolvimento internacional, um comitê permanente de justiça e direitos humanos e um comitê conjunto permanente para o escrutínio das regulamentações.

Outra parlamentar liberal, Alexandra Mendes, confessou, em 3 de janeiro, que também havia viajado internacionalmente. Em uma postagem no Twitter, ela disse que a mãe de seu marido, que morava em Portugal, havia morrido em maio.

“O meu marido e eu sentimos que seria irresponsável viajar para Portugal naquela altura, até para a acompanhar nos seus últimos dias”, escreveu Mendes.

Em julho, quando algumas medidas de bloqueio foram suspensas, Mendes e seu marido foram a Portugal para lidar com a herança de sua mãe após sua morte. Ela acrescentou que havia informado o partido e o gabinete do presidente da Câmara antes de viajar e que havia seguido as medidas de quarentena adequadas.

Patricia Lattanzio, parlamentar liberal de St-Leonard-St-Michel, postou no Twitter em 3 de janeiro que também havia viajado para o exterior. Em setembro, ela foi para a Irlanda para ajudar uma de suas filhas a ir para a escola lá - uma viagem que ela descreveu como “essencial e necessária”. Ela seguiu os requisitos de quarentena quando chegou em casa, disse ela.

A parlamentar liberal Lyne Bessette também postou uma declaração em seu Facebook em 3 de janeiro, detalhando uma viagem internacional que ela fez no verão durante o recesso parlamentar. Ela explicou que seus pais foram para o México em outubro de 2019 com a intenção de passar o inverno lá, mas voltaram para casa, nos Estados Unidos, no início da pandemia, com medo de que a saúde precária de seu pai, que exigia hospitalização, pudesse prejudicar ele em risco de Covid-19.

No processo, eles deixaram seus pertences no México. Bessette viajou sozinha para o México no verão para recuperar os pertences, incluindo uma casa móvel e um veículo.

“No caminho de volta para o Canadá, fiz uma breve parada em Massachusetts para finalizar a venda da minha casa”, acrescentou Bessette, dizendo que entrou em quarentena quando chegou em casa e seguiu as orientações de saúde durante a viagem.

O Facebook de Bessette não mostrou nenhum sinal dessa viagem de verão. Ela explicou em sua declaração que “durante esse período, minha equipe manteve minha presença nas redes sociais, compartilhando publicações de eventos que ocorreram no início do verão”.

SASKATCHEWAN

Em 4 de janeiro, o membro do partido Saskatchewan MLA e o ministro das estradas, Joe Hargrave, renunciaram ao cargo ministerial, após sua viagem a Palm Springs, Califórnia, ter se tornado pública em 30 de dezembro.

A viagem foi feita para finalizar a venda de uma propriedade pessoal, disse ele, mais tarde chamando-a de "erro de julgamento".

Hargrave se desculpou e disse que informou ao premiê Scott Moe seus planos de viagem. A esposa dele também está viajando.

O casal planeja voltar ao Canadá após o término do período de autoisolamento na Califórnia em janeiro.

Como se vê, no Canadá políticos de esquerda e direita apanharam pelas viagens internacionais. Sempre interessante notar como as diferenças culturais moldam o dia a dia das nações, principalmente em uma crise global como a que estamos vivendo.