Pular para o conteúdo

Samara Felippo se liberta de padrões beleza e assume fios brancos: ”Estou me sentindo incrível”

Jairo Bouer

23/09/2020 23:23




Samara Felippo assumiu os fios brancos e deu adeus aos padrões de beleza impostos pela sociedade, nesta quarta-feira (23).

Em uma publicação feita em seu perfil no Instagram, a atriz revelou que se sentia vulnerável ao deixar o cabelo sem pintar.

“6 meses de raiz crescente. 6 meses de quarentena. Revelando algo que vinha, não só escondendo de tudo ao meu redor, mas de mim mesma. Antes, eu ficava 1 mês sem pintar meu cabelo e mal conseguia encontrar pessoas, ficar na frente do meu namorado confortável, tirar fotos… que inferno isso!”, relembrou ela no início do texto.

A artista ainda comemorou a própria liberdade dos estigmas: “Mesmo que eu venha a pintar novamente por conta de trabalhos (aliás mandem trabalhos, to a fim!), eu estou LIVRE dessa opressão de que cabelos grisalhos e brancos é relaxamento ou velhice. To me sentindo incrível Sei lá… Parece que a vulnerabilidade te torna mais forte”.

Ela finalizou o texto citanto Brene Brown, uma autora norte-americana. “Vulnerabilidade não é ganhar nem perder. É ter a coragem de se expor, mesmo sem poder controlar o resultado”.

Veja também:

Assista, também, a outros vídeos no meu canal no YouTube

Influência das redes sociais nos padrões de beleza

Um estudo australiano sugere que as redes sociais têm feito adolescentes terem transtornos alimentares em idade cada vez mais precoce. O trabalho foi feito por pesquisadores da Universidade Flinders, que entrevistaram cerca de 1.000 adolescentes de 12 a 14 anos de escolas particulares para chegar à conclusão.

Do total de entrevistados, 75,4% das garotas e 69,9% dos garotos tinham conta em pelo menos uma rede social, sendo o Instagram a mais utilizada. Metade da amostra tinha menos de 13 anos de idade, a idade mínima recomendada para o uso da plataforma. Muitos participantes também utilizavam o Snapchat.

Os pesquisadores dizem que quanto mais tempo os entrevistados passam nas mídias sociais, maior a frequência de comportamentos e pensamentos consistentes com transtornos como anorexia, bulimia ou vigorexia (obsessão em ganhar músculos). Os dados foram publicados no periódico International Journal of Eating Disorders.

A equipe acredita que é preciso aumentar a resiliência dos jovens para os impactos provocados pelas mídias sociais, por isso está lançando, na Austrália, um programa com o objetivo de conscientizar adolescentes e adultos jovens, chamado “Media Smart Online”.

*Da Redação do Site do Dr. Jairo Bouer

Saiba mais:

10 dicas para diminuir a encanação com o corpo ou a comida

Transtorno alimentar tem surgido mais cedo; de quem é a culpa?

Como controlar o tempo de tela dos filhos durante a quarentena?

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS