Pular para o conteúdo

Susana Vieira revela depressão durante a pandemia; como identificar a condição?

Da Redação

30/10/2020 11:22




Susana Vieira contou que passou por uma depressão durante a pandemia do novo coronavírus, em entrevista ao Instagram ‘Noveleiros real’, na última quinta-feira (29).

A atriz, de 78 anos, afirmou que segue reclusa em sua casa no Rio de Janeiro (RJ).

susanavieiraoficial 118571810 363187988403342 5985995901241678236 n 1 1024x683 - Susana Vieira revela depressão durante a pandemia; como identificar a condição?
Crédito: Instagram/@susanavieiraoficial

“Nunca vim à piscina na pandemia porque eu estava deprimida. Não era uma depressão de tomar remédio, era uma depressão intelectual, porque a vida parou um ano. O tempo virou nada, os meus dias são nada. É como se eu não estivesse vivendo. Mas o que me deixou deprimida foi o fato de a terceira idade estar condenada à morte pelos próprios empregos”, relatou.

Susana, que foi diagnosticada com leucemia em 2015, disse que, apesar da idade, ainda se sente ativa e o momento foi difícil.

“Fiquei apavorada de tudo, de ser uma pessoa da terceira idade e de ter uma doença. Tenho uma leucemia linfocítica crônica que não tem cura. Ela é não curável. Tem que ser tratada. Posso levar uma vida normal, posso tomar avião, ir para Dubai, posso namorar, mas eu não posso pegar uma doença forte. Então, tudo me deixou, como se diz, assim: ‘eu vou parar agora?’. Ainda estou bonitinha, musculosa, forte… Então, eu resolvi assumir não fazer nada, não ler… Não me venham com crochê, nada. Ainda estou bonitinha aos 78”.

Como identificar a depressão?

Assim como Susana Vieira, muitas pessoas enfrentaram a depressão durante a pandemia. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que uma em cada cinco pessoas tenha problemas relacionados à depressão em algum momento da vida. Por isso, é fundamental que todo mundo tenha conhecimento sobre o transtorno e busque ajuda caso suspeite que alguém próximo está com os seguintes sintomas:

  • Sensação de tristeza prolongada ou de vazio, como se a vida perdesse suas cores
  • Falta de interesse generalizado, até nas atividades que geravam prazer e no sexo
  • Agressividade ou mau humor crônico
  • Baixa autoestima, sensação de ser um peso para os outros ou sentimento de culpa
  • Pessimismo, sensação de que não há solução para o mundo ou para os problemas
  • Falta de energia, cansaço excessivo, perda de concentração e memória, falta de iniciativa;
  • Agitação ou lentificação psicomotora (movimentos e pensamentos ficam mais lentos)
  • Insônia ou sonolência excessiva
  • Falta ou excesso de apetite
  • Mal-estar físico, como dores, fraqueza ou sintomas digestivos
  • Pensamentos sobre morte ou ideias de suicídio (nem sempre presentes)

Após algum acontecimento triste, é natural que as pessoas fiquem emocionalmente abaladas por alguns dias. Mas se o tempo passa e a pessoa não se recupera, pode ser que ela esteja deprimida. Os guias médicos sugerem que os sintomas acima devam estar presentes a maior parte do dia, e por no mínimo duas semanas, para que o diagnóstico seja considerado.

Veja também:

Assista, também, a outros vídeos no meu canal no YouTube

Saiba mais

Depressão e ansiedade na gravidez elevam risco de filho ter asma, segundo estudo

Fisicamente ativos sofreram menos ansiedade e depressão na quarentena, segundo estudo

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS