Pular para o conteúdo

Sam Smith relembra ataques de pânico, ansiedade e depressão no início da carreira

Da Redação

26/10/2020 10:37




Sam Smith falou sobre sua saúde mental e relembrou episódios de ataques de pânico, ansiedade e depressão no início da carreira, durante uma entrevista ao apresentador Zane Lowe, no último dia 17.

O cantor inglês afirmou que sempre se sentiu triste, mas lidar com os problemas emocionais foi extremamente difícil.

samsmith 119172803 645101269474887 7821622045592587267 n 1 1024x683 - Sam Smith relembra ataques de pânico, ansiedade e depressão no início da carreira
Crédito: Instagram/@samsmith

“Pela primeira vez, eu realmente tive problemas de saúde mental, como ataques de pânico, ansiedade e depressão. Eu acredito que foi um estresse pós-traumático de antes”, contou.

Sobre o momento em questão, o artista relatou que havia passado por um término de relacionamento, que pode ter agravado a situação.

Em sua vida profissional, Sam explicou o que mais o incomodava: “A diferença entre pico de adrenalina quando você está no palco e o silêncio no camarim é realmente muito duro. Levou cerca de sete anos para entender o que eu precisava para que tudo ficasse bem”.

Ansiedade e ataques de pânico

Como o relato de Sam Smith, muitas pessoas podem sofrer com a ansiedade, depressão e ataques de pânico após uma situação traumática.

A ansiedade pode aparecer como uma reação aguda, mas temporária, diante de uma situação estressante. Além de provocar sofrimento e perdas, a pessoa afetada pode ficar mais suscetível à depressão e ao abuso de álcool ou drogas. Existem diferentes distúrbios de ansiedade, com características específicas, embora o medo seja um denominador comum entre eles.

Um deles é o Transtorno de Pânico, caracterizado por ataques de pânico frequentes, em que a pessoa sente que vai morrer, perder o controle, a consciência ou a sanidade. Em geral, surgem sintomas intensos como taquicardia, falta de ar, dor no peito, sudorese, tremores ou tontura. As crises podem ocorrer inesperadamente, ou podem ser provocados por algum gatilho, como uma situação temida. Quem passa por uma ou mais crises de pânico passa a se preocupar com a possibilidade de sofrer um novo ataque e, para isso, começam a evitar locais ou situações em que as sensações apareceram.

Depressão

Após algum acontecimento triste, é natural que as pessoas fiquem emocionalmente abaladas por alguns dias. Mas se o tempo passa e a pessoa não se recupera, pode ser que ela esteja deprimida. Os guias médicos sugerem que os sintomas abaixo devam estar presentes a maior parte do dia, e por no mínimo duas semanas, para que o diagnóstico seja considerado.

  • Sensação de tristeza prolongada ou de vazio, como se a vida perdesse suas cores
  • Falta de interesse generalizado, até nas atividades que geravam prazer e no sexo
  • Agressividade ou mau humor crônico
  • Baixa autoestima, sensação de ser um peso para os outros ou sentimento de culpa
  • Pessimismo, sensação de que não há solução para o mundo ou para os problemas
  • Falta de energia, cansaço excessivo, perda de concentração e memória, falta de iniciativa;
  • Agitação ou lentificação psicomotora (movimentos e pensamentos ficam mais lentos)
  • Insônia ou sonolência excessiva
  • Falta ou excesso de apetite
  • Mal-estar físico, como dores, fraqueza ou sintomas digestivos
  • Pensamentos sobre morte ou ideias de suicídio (nem sempre presentes)

Lembre-se: o Centro de Valorização da Vida (CVV) atende todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, chat, e-mail, 24 horas por dia, todos os dias da semana. A ligação para o CVV, por meio do número 188, é gratuita a partir de qualquer telefone fixo ou celular.

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS