Doutor Jairo
Leia » Discriminação e desigualdade

Covid-19 deixou minorias ainda mais vulneráveis, alerta ONU

None
iStock

Redação Publicado em 10/12/2020, às 15h07

A Covid-19 salientou ainda mais problemas crônicos como discriminação e deficiências na proteção de direitos econômicos, sociais e culturais. É o que afirmam o representante da Organização das Nações Unidas (ONU) na América do Sul, Jan Jarab, e o coordenador-residente da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, em um artigo de opinião divulgado nesta quinta-feira (10), Dia dos Direitos Humanos.

“Se a pandemia atinge a todas as pessoas, os efeitos da COVID-19 são muito mais dramáticos para aquelas vivendo na pobreza, com taxas de mortalidade altas e impacto social e econômico devastador”, afirmam os representantes.

Minorias ainda mais vulneráveis

Segundo os representantes da ONU, grupos que já eram vulneráveis foram particularmente atingidos, incluindo populações afrodescendentes e indígenas, moradores das favelas, periferias e em situação de rua, pessoas com deficiência, pessoas privadas de liberdade, pessoas LGBTI, refugiadas e migrantes.

“Todos eles já enfrentavam desafios no exercício dos seus direitos humanos, mas a pandemia agravou esta situação”, relatam. Eles acrescentam uma declaração do secretário-geral da ONU António Guterres sobre a Covid-19, pontuando que a crise sanitária se transformou em uma crise de direitos humanos.

América Latina é região mais desigual 

Os representantes destam, no texto, que a desigualdade é um problema para todos, mas é ainda mais grave para a região em que o Brasil se encontra: "Todo o mundo foi golpeado por uma crise sanitária imprevista. Uma tragédia que nos faz recordar que todos somos demasiadamente humanos. De forma cruel, também nos mostra os efeitos da desigualdade nas nossas sociedades. Isto é particularmente real na América Latina, a região mais desigual no mundo."

O artigo destaca que é preciso focar esforços para construir uma sociedade mais justa, igual e inclusiva. E reforça: "Sim, será um 10 de dezembro distinto, na sombra da pandemia. Mas exatamente por essa sombra, nosso compromisso a favor dos direitos humanos tem que ser mais forte que nunca."