Doutor Jairo
Testeira
Colunas / Anderson José » Covid-19

Faculdade de medicina na pandemia: é possível aprender a distância?

Cansaço e dificuldade de aprendizado são comuns no estudo à distância
Cansaço e dificuldade de aprendizado são comuns no estudo à distância - iStock

Redação Publicado em 05/05/2021, às 14h00

Com a pandemia de Covid-19 boa parte das faculdades e universidades brasileiras estão sem aulas presenciais. Isso afeta de maneira significativa os cursos da área da saúde, já que pressupõem o contato com pacientes nos estágios práticos como forma de construir a relação médico-paciente. Essa relação é importante e interfere de maneira contumaz no sucesso terapêutico da pessoa que inicia um tratamento de saúde.

A Educação a Distância (EAD) já era realidade no Brasil muito antes das medidas de distanciamento serem pensadas por aqui. Cursos como pedagogia, letras, administração e direito, por exemplo, já estavam autorizados pelo Ministério da Educação (MEC) na modalidade remota. 

Mas cursos da área da saúde, com a exceção de uma disciplina teórica ou outra, não foram pensados, tampouco estruturados para ocorrer de tal forma mesmo durante um curto período de tempo. Aliás, tempo este que já dura mais de um ano e, pelo placar da vacinação brasileira e a escalada de infectados pela Sars-Cov-2, parece que ainda vai levar um tempo para o tão sonhado restabelecimento da normalidade.

Já que o distanciamento social se faz necessário para controlar a incidência da doença, o MEC, por meio de uma portaria em março de 2020, autorizou a oferta de disciplinas teórico-cognitivas em caráter excepcional e de forma remota a graduandos do 1º ao 4º ano do curso de medicina. 

Habilidades que exigem prática

No entanto, mesmo antes do ingresso dos estudantes no internato (dois últimos anos da graduação médica), algumas práticas são necessárias para o desenvolvimento do raciocínio clínico por parte dos estudantes: inspeção, palpação, percussão e ausculta são habilidades ensinadas na disciplina de semiologia médica que exigem prática e, sobretudo, muito treino por parte dos acadêmicos. 

Porém, com exceção do internato, a maior parte dos estudantes de anos iniciais ainda está impossibilitada de desenvolver essas técnicas dada a situação epidemiológica ante à Covid-19 no país.

Desempenho afetado

Ter a rotina alterada de uma hora para outra mexeu também com o rendimento acadêmico dos estudantes. Antes, preparar o café, sair de casa e ir para a faculdade de manhã cedo fazia parte do cotidiano - e, nem de longe, parecia que se tornaria um desejo como agora. 

Como tudo no começo é novidade, estudar medicina em casa pareceu algo interessante. É o que diz a estudante de medicina Bárbara Oliveira, 26, que cursa o 3º ano de medicina na Universidade Nove de Julho, em São Paulo. 

“Inicialmente foi muito interessante a experiência pelo simples fato de estar em casa, ter tudo acessível, não precisar me locomover até a faculdade. Porém, com o tempo, a rotina fica maçante, não tem ninguém para conversar, a cadeira não é mais tão confortável e você se distrai com os afazeres domésticos.”

Bárbara não é a única a ver o rendimento dos estudos diminuir. A carioca Mariana Ramos Barbosa, 23, é estudante do 4º ano de medicina da Universidade Federal do Acre, em Rio Branco, e relata que, com a suspensão das aulas presenciais na universidade, segue o curso à distância de sua casa no Rio de Janeiro. No entanto, apesar da rotina diária de estudos, sente que seu desempenho foi duramente afetado pela pandemia - apesar de se considerar privilegiada por ter condições de acesso à internet e um bom ambiente para estudar.

“Minha maior dificuldade é a rotina em si. Não ter a obrigação de ir para a faculdade todos os dias e ter que lidar com a falta de um cronograma preestabelecido pelos professores de longo prazo dificulta muito a efetividade do aprendizado, mas, desde o início do EAD, eu mantenho minha rotina de estudos.” 

Saúde mental de universitários

O estudo “Global Student Survey” ouviu 16,8 mil estudantes de graduação, de 18 a 21 anos, entre os meses de outubro e novembro de 2020 e constatou que sete em cada dez universitários brasileiros (76%) disseram que a pandemia de Covid-19 impactou de maneira negativa a saúde mental, aumentando os níveis de estresse e de ansiedade, bem como pensamentos suicidas em 17% dos estudantes ouvidos. 

Isso coloca o Brasil no topo do ranking entre os 21 países analisados e revela que universitários brasileiros são os mais afetados pela pandemia em todo o mundo.

Especialistas indicam o desenvolvimento de uma rotina, mesmo que em casa, para garantir a efetividade do estudo e, principalmente, manter boas as condições de saúde mental para um pleno aprendizado em épocas de educação à distância.  

“Me arrumo todos os dias, organizo meu ambiente de estudos, me alimento de maneira saudável e faço uso de fitoterápicos para acalmar a ansiedade. Tratar os estudos como um trabalho me ajuda na construção da minha rotina, então, de segunda a sexta, dou meu máximo, tenho horário de começar e terminar e descanso aos finais de semana”, fala Bárbara.

Como aprender nas condições atuais?

A mudança repentina na forma de estudar pressupõe adaptação de todos os lados, desde o professor, passando pela universidade e se estendendo ao aluno. É nesse sentido que a busca por meios alternativos de aprendizado surge como principal ferramenta de auxílio aos acadêmicos. 

Leituras de casos clínicos, artigos, discussões em grupo e outros meios já eram praticados como método de estudo por diferentes estudantes antes das medidas de distanciamento. Porém, com a pandemia, estão sendo mais empregados como forma de sanar a falta de práticas e contato com os colegas.

A médica Thereza Cristina Picado, hematologista pela Universidade Federal Fluminense e professora de semiologia do curso de medicina da Universidade Federal do Acre, considera que esse momento é de grandes desafios na vida acadêmica dos estudantes na graduação médica. 

“Vejo que essa geração de futuros médicos terá passado pela experiência ruim de uma pandemia em um momento crucial de sua ‘vida profissional’, que é o período de graduação. Mas também como uma geração que terá aprendido a buscar além do que é oferecido, procurando compensar, de alguma forma, o tempo perdido, assim que o cenário epidemiológico permitir.” 

Quando questionada como os estudantes podem suprir essa dificuldade da falta da prática no dia a dia, ela conclui. “Acredito que os alunos possam aproveitar para ganhar profundidade na parte teórica. Depois, tão logo seja possível, devem ‘mergulhar’ no conteúdo prático.”

Acreditar na melhora do cenário da pandemia, além de nutrir a esperança, é importante para o planejamento dos estudos. Por mais difícil e cansativo que seja estudar o corpo humano através de telas, se faz necessário o empenho para aproveitar o tempo, mas sem tarefas irrealizáveis e excesso de cobranças, pois o momento é atípico e, tão importante quanto estudar, é ter saúde para cuidar da saúde dos futuros pacientes.