Pular para o conteúdo

Você saberia identificar que seu filho está com depressão?

Jairo Bouer

18 de novembro


Saber se um jovem está com alterações de humor típicas da adolescência ou algo mais preocupante é um dos maiores desafios que os pais enfrentam ao tentar identificar sintomas de depressão. É o que revela uma pesquisa norte-americana feita pela Universidade de Michigan.

O relatório é baseado nas respostas de 819 pais e mães que têm pelo menos um filho com idade entre 11 e 17 anos. Embora a maioria dos pais se mostre confiante para identificar uma eventual depressão, dois terços deles admitiram que é difícil detectar certos sintomas específicos do transtorno.

Uma das questões mais capciosas é diferenciar o transtorno dos famosos altos e baixos do adolescente: 40% acham isso complicado, e com razão. Para dificultar as coisas, nem todos os filhos são transparentes com os pais – 30% dos entrevistados avaliam que eles são bons em esconder sentimentos.

Um terço dos entrevistados diz que nada disso é capaz de interferir na sua capacidade de reconhecer que um filho está deprimido. Para os autores, é preciso tomar um pouco de cuidado com essa autoconfiança toda – muitas vezes os sinais são sutis, por isso é importante ficar atento e tomar a iniciativa de falar sobre sentimentos.

Outra descoberta do estudo é que a depressão não é um tema desconhecido para as famílias. Um em cada quatro pais entrevistados disse que o filho tinha algum colega que sofria de depressão. E um em cada 10 relatou que algum colega do filho tinha morrido por suicídio.

Os dados acima são consistentes com as estatísticas nacionais. Nos EUA, a taxa de suicídios entre pessoas de 10 a 24 anos aumentou 56% entre 2007 e 2017, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Os sintomas da depressão podem variar entre os jovens. Enquanto alguns manifestam mais tristeza e isolamento, outros tendem a ficar mais irritados ou até violentos. Uma dica importante é a mudança de comportamento – de repente o filho deixa de praticar o esporte que adorava, começa a ter notas baixas, emagrece ou come demais, não dorme ou não quer mais sair da cama, e assim por diante.

Apesar de muitos jovens terem algum colega que sofre de depressão, é mais fácil perceber que algo está errado no outro do que neles próprios. Daí a importância de a família, os amigos ou os professores se comunicarem entre si ao perceber que o adolescente está sofrendo. Às vezes existe um obstáculo na comunicação com os pais, mas outro adulto de confiança pode ser um canal para o filho buscar ajuda.

A maioria dos pais também acredita que as escolas devem ajudar a identificar o risco de depressão, sendo que sete em cada dez apóiam o rastreamento a partir do ensino médio, uma proposta que vem sendo discutida nos EUA. O problema é que, mesmo lá, as escolas têm poucos recursos para preparar equipes e oferecer aconselhamento adequado aos alunos que precisam.

No Brasil, essa discussão ainda é incipiente, e muitas escolas públicas não conseguem nem dar conta do básico. É por isso que os familiares devem ter atenção redobrada e manter o ambiente em casa propício para o diálogo.

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS