Pular para o conteúdo

Saiba reconhecer se o jogos online viraram doença

Jairo Bouer

14/10/2020 11:40




Passar horas no videogame ou em jogos na internet pode virar doença. Com o isolamento social na pandemia, muitos jovens passaram a ficar mais tempo na frente das telas, o que pode ter agravado ou deflagrado esse “vício”. Explico as aspas: quando uma pessoa perde o controle e até deixa de fazer outras coisas para jogar, podemos considerar que existe um tipo de dependência, mas ela é diferente do vício por álcool, apostas ou jogos de azar.

O uso abusivo de jogos eletrônicos (ou “gaming disorder”, em inglês) entrou na lista dos transtornos que envolvem algum tipo de dependência. Essa lista, usada como referência pelos profissionais de saúde, é a CID (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde). A decisão de incluir o transtorno foi tomada após diversos estudos terem mostrado que o problema é relevante e tem prejudicado a vida de muita gente, especialmente dos jovens.

game 1024x683 - Saiba reconhecer se o jogos online viraram doença
Crédito: Pixabay

Sinais de alerta

Veja, aqui, alguns sintomas de que os jogos online viraram um transtorno:

  1. Alterações de comportamento como agressividade, agitação, impaciência e isolamento
  2. Aumento progressivo de tempo gasto com jogos online (inclusive diminuindo o tempo de sono)
  3. Irritaçao ou mal humor quando nao está jogando
  4. Piora do desempenho na escola e impactos nas relações com amigos e família
  5. Não querer discutir sobre o padrão de uso dos jogos

O que fazer

Veja as minhas recomendações caso seu filho (a) ou alguém da sua família exibir os sinais acima:

  • Tentar conversar sobre exageros no tempo de jogo
  • Mostrar as mudanças de comportamento, desempenho escolar e problemas de relacionamento
  • Negociar o tempo e horário de jogo

E se não funcionar?

  • Deixar limites bem claros, que devem ser obedecidos
  • “Confiscar” celular e outras telas na hora de ir para cama
  • Terapia pode ajudar em alguns casos

Se é você quem joga

Já se é você quem está exagerando, tente impor limites no tempo de uso, colocar alarmes e buscar outras atividades tragam prazer.

Se não conseguir, vale a pena procurar ajuda de uma rede de apoio ou de um profissional de saúde mental.

 

Leia mais:

O que vem primeiro: a frustração ou o vício por games?

Preocupação com games afeta 9 entre 10 pais de adolescentes

Apostas online na pandemia: como controlar o impulso?

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS