Pular para o conteúdo

Nova temporada de ‘This is Us’ relata importância da família no combate ao racismo

Da Redação

29/10/2020 19:28




O combate ao racismo foi tema para o primeiro episódio da nova temporada de ‘This is Us’, que chegou na última terça-feira (27) nos Estados Unidos, e na última quarta-feira (28), aqui no Brasil, pelo canal Fox Premium 1.

Além de abordar os impactos da pandemia do novo coronavírus na vida dos personagens, o assassinato de George Floyd fez parte do enredo da trama.

nbcthisisus 84787481 553022448639496 3764889298519319044 n 1 1024x683 - Nova temporada de ‘This is Us’ relata importância da família no combate ao racismo
Crédito: Instagram/@nbcthisisus

Ao saberem sobre o acontecimento, Beth (Susan Kelechi Watson) e Randall (Sterling K. Brown) comentaram sobre o quão horrível é a brutalidade.

O casal ficou ainda mais preocupado quando descobrem que Toby (Chris Sullivan) e Kate (Chrissy Metz) estão nos protestos do movimento Black Lives Matter, em Los Angeles, com o filho Jack.

Durante uma festa surpresa para Randall, que é adotado, ele refletiu sobre como não teve o apoio da família e lutou contra o racismo sozinho durante seu crescimento.

Ao longo da série é possível perceber como o racismo é uma pauta presente, já que ele e sua família precisam explicar movimentações em sua casa para os vizinhos, que são, na maioria, brancos.

Qual a importância da família no combate ao racismo?

Assim como a série mostra, conviver com o preconceito é difícil em qualquer idade, mas é ainda mais complicado para crianças e adolescentes, que ainda não têm recursos internos para lidar com adversidades.

Para piorar tudo, essa discriminação é manifestada, muitas vezes, por quem deveria proteger esses jovens dela: policiais e outras autoridades, quando não os próprios professores ou colegas de classe.

A família, que é o porto seguro nessa fase da vida, muitas vezes, fragilizada por esse racismo estrutural, não consegue oferecer o suporte necessário para os mais novos. Esses pais, mães, tios e irmãos mais velhos podem sofrido agressões, abusos, exclusões e preconceitos ao longo das suas próprias histórias pessoais. Ou seja: há motivos de sobra para temer a violência e a falta de oportunidades dos filhos mais novos.

Com o passar do tempo, crianças e jovens podem começar, sem se dar conta, a “introjetar” percepções de “inferioridade” ou “incapacidade”, geradas pelos preconceitos e pelo racismo estrutural, ao seu psiquismo.

É como se, de forma inconsciente, a pessoa começasse a acreditar que ela não é capaz de conseguir alcançar seus objetivos ou assumir um papel de liderança. Esse mecanismo é reforçado diariamente por ela viver em uma sociedade que insiste em não permitir que esse espaço seja ocupado por pessoas iguais a ela.

Saiba mais

Papa Francisco diz que homossexuais têm direito à família; rejeição é comum para jovens LGBTQ+

Dia Mundial da Saúde Mental: cuide bem da sua

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS