Pular para o conteúdo

Ansiedade social pode ser herdada, mas o ambiente interfere bastante

Jairo Bouer

14 de outubro


TIMIDEZ700 - Ansiedade social pode ser herdada, mas o ambiente interfere bastanteOs genes exercem um papel importante, a longo prazo, para o desenvolvimento da ansiedade social, um problema comum que faz muita gente evitar o relacionamento com outras pessoas. Mas os fatores ambientais têm mais impacto a curto prazo, segundo um estudo realizado pelo Instituto de Saúde Pública da Noruega. Isso significa que experiências traumatizantes que levam ao problema, como o bullying, por exemplo, podem ter efeito passageiro.

Os pesquisadores analisaram cerca de 3.000 gêmeas para tentar descobrir se a ansiedade social é mais influenciada por fatores genéticos ou ambientais. As mulheres foram entrevistadas em duas ocasiões – na primeira, elas tinham por volta de 20 anos. Na segunda, cerca de 30 anos.

A ansiedade ou fobia social é um transtorno conhecido pelo início precoce, na infância ou na adolescência. É difícil alguém desenvolver o problema só mais tarde, após os vinte e poucos anos.

A principal característica do transtorno é o medo de ser avaliado negativamente em situações sociais. Dependendo das circunstâncias, isso é normal, mas vira doença quando chega a afetar demais a vida da pessoa, a ponto de ela evitar qualquer tipo de interação social. Alguns indivíduos chegam a passar mal quando têm de assinar um cheque em público, por exemplo, ou responder a uma pergunta na sala de aula. A condição gera angústia de traz comprometimento para a vida pessoal e profissional, além de ser um fator de risco para o uso de álcool e drogas.

O trabalho mostrou que menos de 4% das mulheres apresentava o transtorno por volta dos 20 anos. Outras 10% tinham sintomas que não configuravam o diagnóstico. Dez anos mais tarde, 5% das participantes e pouco menos de 9%, respectivamente, apresentavam ansiedade social ou sintomas.

Nem todas as mulheres que apresentavam o transtorno aos 30 tinham sido diagnosticadas aos 20, o que surpreendeu os pesquisadores. Eles perceberam que a ansiedade social é menos estável do que o imaginado, o que é uma boa notícia para quem sofre do problema.

Existem traços de personalidade que podem levar à doença, como introversão e baixa estabilidade emociona, que são influenciados pela genética. No entanto, questões ambientais têm maior impacto no curto prazo. Em outras palavras, uma pessoa pode vir a sofrer de ansiedade social porque sofreu bullying na adolescência, por exemplo, mas só vai continuar com o transtorno dez anos depois se ela tiver, de fato, uma propensão genética.

É bom ressaltar que mesmo aqueles que herdaram essa tendência têm grandes chances de superar o transtorno, já que as terapias para ansiedade social costumam ter bons resultados. Elas envolvem expor o paciente a situações sociais simuladas, para fazer com que consiga vencer o medo, aos poucos.

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS