Pular para o conteúdo

Grávida, Sthefany Brito rebate comentários negativos; críticas podem ser prejudiciais às mães

Da Redação

30/09/2020 00:10




Sthefany Brito resolveu responder às críticas após compartilhar uma foto em suas redes sociais, nesta terça-feira (29).

A atriz surgiu aproveitando um dia de sol e exibiu sua barriguinha de grávida. Ela está esperando seu primeiro filho com Igor Raschkovsky.

Nos comentários da publicação, internautas afirmaram que a barriga parecia ser ‘postiça’ e que estava estranha.

“Se fosse [postiça] tirava à noite para conseguir dormir. Dor nas costas bombando à noite. Cadê a cartilha da barriga normal? Você pode me mandar, porque eu desconheço”, rebateu Sthefany.

A irmã de Kayky Brito ainda brincou com as comparações com a boneca Barbie: “Minha pança, que, segundo vários comentários na foto anterior, parece a barriga de grávida da Barbie. Aí, eu pergunto: será que a Barbie sentia dor nas costas e no cóccis?”.

Veja também:

Assista, também, a outros vídeos no meu canal no YouTube

Críticas podem ser prejudiciais

Seis em cada 10 mães de crianças com idades entre 0 e 5 anos dizem que já foram criticadas pela forma como cuidam, educam ou alimentam seus filhos, mostra um levantamento feito nos Estados Unidos com 475 mulheres. Essas alfinetadas geram mais resultados negativos do que positivos, segundo pesquisadores da Universidade de Michigan, que analisaram os resultados.

Assim como Sthefany, os autores dão o exemplo de mulheres famosas que já foram criticadas publicamente, como a atriz Reese Witherspoon, que há alguns anos causou frenesi ao postar a foto de um prato com os doces de canela que ofereceu no café da manhã para o filho de 2 anos. Ao contrário dessas personalidades, a maioria das mães é atacada por gente da própria família.

Do total de entrevistadas, 37% disseram ter sido pressionadas pelos próprios pais. Em seguida, aparecem os sogros ou os próprios maridos, apontados por 36% das mulheres. As cunhadas e cunhados aparecem em terceiro lugar (31%). As mães ouvidas relataram ter se incomodado bem menos com críticas recebidas de amigos, médicos, cuidadores ou comentaristas de mídias sociais.

Quarenta e dois por cento das mães afirmaram que a crítica gerou insegurança, porém fez com que consultassem um especialista para fundamentar as próprias escolhas, o que é positivo. E metade das entrevistadas disse que passou a evitar o parente que exagerava nos “pitacos”.

Conselhos não solicitados podem ser encarados como alfinetadas e só geram tensão, em vez de trazer algum benefício para a mãe. Por isso os autores do estudo dão um recado para os parentes: se quiser dar sua opinião, faça isso com empatia e encorajamento, não em tom de crítica. Afinal, os conhecimentos mudam e ninguém sabe tudo.

*Da Redação do Site do Dr. Jairo Bouer

Saiba mais:

Parceiras nunca engravidaram: será que o problema é do homem?

Uso de maconha na gravidez é associado a problemas de saúde mental de crianças

Consumo de álcool no início da gravidez aumenta risco de aborto

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS