Doutor Jairo
Leia » Genes

Evolução pode explicar por que autismo é mais comum em homens

Motivo pode estar relacionado à evolução
Motivo pode estar relacionado à evolução - iStock

Redação Publicado em 03/03/2021, às 14h44

Que homens e mulheres são biologicamente diferentes é um conhecimento geral, no entanto, ainda hoje são realizados estudos para entender o quanto isso pode afetar a saúde de cada gênero.

Segundo um novo artigo publicado no Journal of Molecular Evolution, os homens são realmente mais vulneráveis a uma série de condições de saúde física e mental graças ao genoma humano, que evoluiu de forma a favorecer a herança de características muito diferentes entre eles e as mulheres.

A análise mostrou que, embora existam certas condições que ocorrem mais frequentemente em mulheres, como esclerose múltipla, os homens são mais propensos a problemas médicos em geral e, como resultado, em média morrem mais cedo do que as mulheres.

Segundo os pesquisadores, as mulheres costumam viver mais e são menos vulneráveis ​​à maioria das condições de saúde porque sua composição genética evoluiu em reação a características do genoma masculino, criando melhor imunidade e maior longevidade.

Embora as origens das condições de saúde mental sejam mais complexas, elas são influenciadas pelos mesmos fatores evolutivos, dizem os autores. As mulheres são mais propensas a depressão e ansiedade, por exemplo, enquanto os homens são mais propensos a desenvolver distúrbios antissociais.

Sobre o autismo

Nesse caso, o desequilíbrio entre homens e mulheres é especialmente pronunciado. Os meninos têm até quatro vezes mais probabilidade de ter alguma forma de autismo, além de uma probabilidade maior de apresentar sintomas mais graves.

A evolução parece ter criado um limite mais alto que protege mais mulheres de desenvolver a doença, dizem os autores.

Embora o autismo não seja apenas atribuível a características herdadas, parece que os meninos são mais propensos a herdar características que os tornam mais vulneráveis ​​a fatores ambientais, criando mais caminhos que podem levar ao autismo.