Trabalho “invisível” sobrecarrega mães e afeta o bem-estar dos filhos

Publicado em Destaque, Notícias

Crédito: Fotolia

Quem trabalha com crianças e adolescentes sabe o quanto o bem-estar dos pais é importante para o equilíbrio emocional dos filhos. Sobretudo das mães, que costumam estar mais próximas deles e acumulam mais funções no cuidado da casa e da família, mesmo quando trabalham fora.

Hoje é mais comum ver um homem que lava louça e dá banho nos filhos. Mas o que mais sobrecarrega as mães é aquilo que ninguém percebe que é feito, o chamado “trabalho invisível”: conferir a lição de casa do filho, providenciar as refeições, comprar o material escolar no prazo certo, falar com a professora, garantir que não falte papel higiênico no banheiro e assim por diante.

Essas tarefas de administração do lar exigem esforço mental e emocional e têm um forte impacto na saúde mental das mulheres, como mostra um estudo nas universidades estaduais do Arizona e de Oklahoma, nos EUA. Os pesquisadores entrevistaram 393 mães norte-americanas com filhos menores de idade, casadas ou em união estável. A amostra incluiu mulheres de classe média alta, com boa qualificação, sendo que 70% tinham ao menos um curso universitário completo.

Os pesquisadores mediram o peso do trabalho doméstico com perguntas divididas em três categorias de cuidado: organizar os horários da família, promover o bem-estar das crianças e tomar decisões financeiras. Depois, eles analisaram o impacto dessas tarefas no bem-estar das mulheres.

Do total de entrevistadas, 65% estavam empregadas. Nove entre 10 afirmaram se sentir as únicas responsáveis por organizar os horários da família, como marcar o dentista para o filho, lembrar que tem festa de aniversário no fim de semana etc. Sete entre 10 disseram que também eram encarregadas por outras rotinas familiares, como decidir quem faz as compras ou providencia o jantar. Quase 8 em 10 responderam que eram a principal interface com os professores e funcionários da escola dos filhos.

Dois terços das mães também relataram ser as principais responsáveis por atender às necessidades emocionais das crianças.  Ou seja: em geral é à mãe que o filho recorre quando está angustiado com alguma coisa. E essa categoria – o cuidado com o bem-estar dos filhos – é a que mais aflige as mulheres, segundo a pesquisa, que foi publicada no periódico Sex Roles.

Incutir valores nas crianças, porém, é algo que a maioria (72%) definiu como responsabilidade compartilhada com os pais, bem como as decisões financeiras. Os pesquisadores acreditavam que esse papel mais ativo da mulher no controle do dinheiro poderia ter um efeito positivo no bem-estar das entrevistadas, mas as entrevistas mostraram que não. A responsabilidade pesa porque é um item a mais para se preocuparem.

É bom lembrar que o estudo foi feito num país em que a divisão de tarefas já faz parte da cultura. No Brasil, mesmo o trabalho físico, aquele fácil de ser visto e mensurado, também está nas mãos das mulheres. Uma análise divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no ano passado, revelou que 95,% delas cuidam das refeições, contra 59,8% deles. Mais de 90% cuidam da limpeza e manutenção das roupas e sapatos, contra apenas 56% dos homens.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) indicou que eles só são mais ativos no que se refere a pequenos reparos e serviços de manutenção da casa. No balanço final, enquanto elas gastam mais de 20 horas por semana com tarefas do lar, eles gastam menos de 11, ainda que as mulheres já representem quase metade da população economicamente ativa no país.

A sobrecarga provocada por todo esse trabalho “invisível” gera insatisfação com a vida e com o parceiro, e, claro, tem reflexo no sucesso e na saúde mental dos filhos. Se a gente quer que eles se saiam bem, é preciso garantir que essas mães também sejam cuidadas.  Relacionamentos são o melhor escudo contra o estresse, e isso vale tanto para crianças quanto para adultos. Por isso, os pesquisadores norte-americanos comentam que fazer parte de um grupo de mães é uma medida que comprovadamente ajuda. Ainda mais quando o parceiro não assume muitas responsabilidades.