Pular para o conteúdo

Estudo encontra elo entre excesso de peso e puberdade precoce

Jairo Bouer

14 de outubro


obesidade3001 - Estudo encontra elo entre excesso de peso e puberdade precoceA puberdade tem começado cada vez mais cedo. Em 1920, por exemplo, tinha início aos 14 anos e meio para as meninas. Essa idade foi diminuindo e, em 2010, a idade média foi estimada em 10 anos e meio (nos meninos, o processo tende a começar mais ou menos um ano mais tarde).

Uma das explicações para esse declínio, segundo pesquisadores, é o aumento da obesidade e do sobrepeso entre as crianças, e isso é ainda mais claro para as meninas. Ainda não se sabe muito bem como uma coisa leva à outra, mas um estudo publicado no Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism desvendou parte desse quebra-cabeça.

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade Plymouth, no Reino Unido, analisaram dados de 347 crianças de 5 a 15 anos. Eles escolheram como foco uma proteína chamada globulina ligadora de hormônios sexuais (SHBG, do inglês “sex hormone-binding globulin”).

O SHBG se liga aos hormônios androgênicos (aqueles que geram características do sexo masculino) e ao estrogênio (o hormônio feminino, presente em menor quantidade nos homens). Sabe-se que os níveis de SHBG são altos na infância, mas diminuem bastante antes da puberdade, como que para deflagrar o processo.

A equipe descobriu que crianças com peso mais alto aos 5 anos tendem a ter níveis mais baixos de SHBG ao longo da infância e, como consequência, acabam chegando à puberdade mais cedo. E essa tendência foi ainda mais forte para as meninas.

Para os pesquisadores, distúrbios hormonais associados à obesidade, em conjunto com o processo inflamatório que a acompanha, podem constituir o mecanismo biológico que liga o excesso de peso à puberdade precoce. A descoberta indica que o SHBG é parte da interação entre o sistema corporal que controla o equilíbrio energético e a reprodução.

Os resultados reacendem o debate sobre o papel da atual epidemia de obesidade infantil na puberdade cada vez mais precoce. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), quase um terço das crianças de 10 a 11 anos e mais de um quinto das crianças de 4 a 5 anos estão acima do peso ou obesas.

Ao longo da evolução, mulheres bem nutridas tiveram vantagem reprodutiva em uma época em que a mortalidade de recém-nascidos era muito alta. No extremo oposto, a desnutrição pode levar à infertilidade. Atletas de alta performance, bailarinas ou mulheres com anorexia nervosa, por exemplo, costumam ter mais dificuldades de engravidar.

Mas adiantar muito o potencial para a reprodução não é algo positivo, ainda mais se for consequência do ganho de peso. Quem é obeso na infância tem mais risco de desenvolver doenças do coração e diabetes na idade adulta. Esse efeito sobre a puberdade, portanto, é mais um motivo para se combater a obesidade infantil.

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS