Pular para o conteúdo

Estresse mental afeta mais o coração das mulheres, segundo pesquisa

Jairo Bouer

14 de outubro


Homens e mulheres reagem de forma diferente ao estresse mental, segundo estudo publicado nesta segunda-feira (13) no Journal of the American College of Cardiology. De acordo com os resultados, o coração delas pode ser mais ameaçado nessa situação.

Pesquisadores da Universidade de Duke, nos Estados Unidos, avaliaram 56 mulheres e 254 homens diagnosticados com doença cardíaca. Eles foram submetidos a três tarefas mentalmente estressantes, durante as quais passaram por exames de imagem, de sangue, e tiveram os batimentos e a pressão arterial medidos. Em seguida, todos passaram por um teste ergométrico.

Enquanto o homens apresentaram mais alterações na pressão arterial e na frequência cardíaca em resposta ao estresse mental, mais mulheres tiveram isquemia miocárdica, uma redução do fluxo sanguíneo no coração. Além disso, elas tiveram um aumento maior na agregação de plaquetas que os homens, o que indica risco de formação de coágulos.

Os pesquisadores também perceberam que as mulheres expressaram mais emoções negativas e menos emoções positivas durantes os testes. Ou seja: o impacto psicológico do estresse também parece ser pior para elas.

Os autores observam que essa diferença na forma como homens e mulheres reagem ao esgotamento mental é algo que precisa ser mais estudado, assim como o impacto do estresse psicológico no coração. As ferramentas usadas hoje em dia para prever risco cardíaco não incluem esse fator e, por isso, podem falhar em alguns casos.

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS