Pular para o conteúdo

“Conchinha” não é a melhor posição sexual para homens com dor lombar

Jairo Bouer

14 de outubro


LOMBALGIA300 - "Conchinha" não é a melhor posição sexual para homens com dor lombarA dor nas costas é uma das principais causas de incapacidade no mundo todo. E, como qualquer tipo de dor, pode interferir bastante na vida sexual das pessoas. Quando um homem se queixa de problemas na lombar, a chamada lombalgia, é comum que os médicos recomendem a posição de “conchinha” para não agravar a situação. Mas um estudo mostra que o conselho não é dos melhores.

Utilizando uma tecnologia de captura de movimento, pesquisadores obtiveram novas informações sobre a tensão provocada na coluna vertebral em diferentes posições sexuais. Os resultados foram publicados na revista científica Spine.

O trabalho contou com especialistas do Laboratório de Biomecânica da Coluna da Universidade de Waterloo, no Canadá. Foram avaliados dez casais jovens e saudáveis, sem dores ou problemas ortopédicos que impedissem a atividade sexual.

No laboratório, eles foram convidados a realizar posições sexuais diferentes, em ordem aleatória: além da popular “conchinha”, eles experimentaram dois tipos de “papai-mamãe” e duas variações da posição “por trás” (com e sem as mãos da mulher apoiada no chão). Em cada uma delas, foi medida a pressão exercida sobre a coluna do homem.

Segundo os especialistas, a indicação para quem sofre de lombalgia deve depender do tipo de movimento que causa dor. Para um paciente que sente muito desconforto ao flexionar a coluna, por exemplo, a posição “por trás” exerceria menos pressão.

Em segundo lugar, a posição mais adequada para quem sofre com dor nas costas seria o tradicional “papai-mamãe”, mas com o homem apoiando seu peso com as mãos, e não com os cotovelos. Essas mudanças sutis, de acordo com os pesquisadores, podem trazer uma melhora significativa na dor.

O curioso é que a posição de “conchinha”, bastante recomendada pelos ortopedistas, foi a que mais pareceu produzir pressão para os pacientes intolerantes a movimentos de flexão na coluna.

Os pesquisadores enfatizam que novos estudos devem ser feitos para confirmar os resultados, mas eles acreditam que as informações podem ajudar a mudar as recomendações dos médicos para quem sofre de dor lombar.

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS