Pular para o conteúdo

Bullying afeta o salário dos homens e gera absenteísmo entre as mulheres

Jairo Bouer

14 de outubro


bullying700

Bullying não é só coisa de criança ou adolescente. Um estudo realizado pelas universidades Aarhus e de Copenhague, na Dinamarca, mostra que cerca de 7% dos empregados sofrem intimidações no trabalho.

O problema é uma das principais causas de absenteísmo e uso prolongado de antidepressivos entre as mulheres, e faz com que muitos homens abandonem o mercado, segundo os pesquisadores.

O levantamento contou com 3.182 trabalhadores de organizações públicas e privadas. Entre os que admitiram ser submetidos a humilhações, 43% eram do sexo masculino. Segundo os pesquisadores, a frequência do bullying é praticamente a mesma entre homens e mulheres. A diferença é que eles são um pouco mais propensos a sofrer intimidação física do que elas.

Os resultados ainda mostram que, se o bullying não aumenta o absenteísmo dos homens, o problema tende a afetar negativamente os salários deles, comprometendo oportunidades de promoções. Casos de chefes ou colegas que dificultam a vida do empregado na empresa, deixando as “melhores” tarefas para os outros, são comuns, de acordo com a pesquisa.

Para os autores, é preciso que o problema seja estudado a fundo, porque ainda é pouco reconhecido pelas empresas, apesar dos prejuízos que causa. Alguns estudos indicam que as consequências do bullying para a saúde mental podem ser comparáveis ou até maiores que as do assédio sexual, por exemplo. Os dados foram publicados no periódico Labour Economics.

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS