Doutor Jairo
Leia » Prevenção

Herpes-zóster: quem já se imunizou pode usar a nova vacina?

A nova vacina contra o herpes-zóster é cara, mas garante uma proteção mais alta contra a doença - iStock
A nova vacina contra o herpes-zóster é cara, mas garante uma proteção mais alta contra a doença - iStock

Tatiana Pronin Publicado em 28/06/2022, às 12h33

Uma nova vacina contra o herpes-zóster, doença popularmente conhecida como "cobreiro", chegou ao Brasil este mês, nas clínicas privadas. O preço é alto – cada dose pode custar mais de R$ 800, a depender do local, e são necessárias duas doses para imunização completa.

A vantagem é que os estudos com a Shingrix (nome comercial da nova vacina) apontam uma eficácia de 97%, ao passo que a Zostavax, aprovada há mais tempo na rede privada e, portanto, mais barata, tem uma eficácia em torno de 70%. Assim, muita gente que já se imunizou tem se perguntado se vale a pena investir de novo na vacinação.

Mais herpes-zóster na pandemia

Quem já teve herpes-zóster nunca se esquece. A doença é provocada pelo vírus varicela-zóster (VVZ), causador da catapora, que, depois da infecção inicial, fica dormente no organismo. Mais tarde, em situações de estresse e queda de imunidade, o VVZ pode ser “reativado” e, então, provoca lesões de pele extremamente dolorosas, além de febre, mal-estar, dor de cabeça e outros sintomas. O local afetado depende da região do corpo em que o vírus ficou alojado, e as lesões seguem a trajetória de um nervo. 

O tratamento é feito com antivirais e analgésicos, e deve ser iniciado o quanto antes. Vale lembrar que o herpes-zóster não tem relação, apesar do nome, com o herpes labial ou genital – estas duas condições são causadas pelo vírus herpes simples, que, apesar de pertencer à mesma família de vírus, é diferente do varicela (causador da catapora). 

A médica geriatra Maisa Kairalla, presidente da Comissão de Imunização da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), conta que tem havido um aumento da incidência do herpes-zóster por causa do envelhecimento da população. É que, com o passar da idade, nosso sitema imunológico sofre um processo natural de envelhecimento, chamado de "imunosenescência".

Embora não haja números ainda, os casos de herpes-zóster aumentaram de forma significativa nos últimos dois anos, após a chegada do novo coronavírus. “Certamente com a Covid isso aconteceu [o aumento de casos]; a gente ainda não sabe ao certo se isso ocorreu por causa do vírus, ou se é por causa do estresse da pandemia”, explica Maisa.

Justin Bieber, herpes-zóster e paralisia facial 

A depender dos nervos afetados pelo vírus, é possível que o paciente venha a ter complicações graves, embora mais raras, como quadros de paralisia facial, algo que foi bastante destacado na mídia com o caso recente do cantor Justin Bieber. A síndrome de Ramsay Hunt, como ele próprio destacou em seu Instagram, envolve os nervos do ouvido e de um lado do rosto.

Outras complicações possíveis da reativação do herpes-zóster, como informa o Ministério da Saúde, são as seguintes:

  • Ataxia cerebelar aguda (condição que pode afetar o equilíbrio, fala, deglutição, movimento dos olhos, mãos, pernas, dedos e braços).
  • Trombocitopenia (baixa quantidade de plaquetas no sangue, responsáveis pela coagulação).
  • Infecção bacteriana secundária de pele (por ex: impetigo, abscesso, celulite, erisipela, causadas por Staphylococcus aureusStreptococcus pyogenes ou outras que podem levar a quadros sistêmicos de sepse, com artrite, pneumonia, endocardite, encefalite ou meningite e glomerulonefrite).
  • Síndrome de Reye (doença rara que causa inflamação no cérebro e que pode ser fatal, associada ao uso de AAS, principalmente em crianças).

  • Infecção fetal em pacientes gestantes (o que pode resultar em malformações e outros problemas de saúde na criança).
  • Varicela disseminada ou varicela hemorrágica em pessoas com comprometimento imunológico.
  • Nevralgia pós-herpética (dor persistente por 4 a 6 semanas após a erupção cutânea, que se caracteriza pela refratariedade ao tratamento). Essa complicação é mais frequente em mulheres e após comprometimento do nervo trigêmeo, e prejudica demais a qualidade de vida. 

Risco aumenta com estresse e com a idade

[Colocar ALT]
As lesões acompanham o trajeto de um nervo, e podem acometer a região torácica (53% dos casos), cervical (20%), correspondente ao nervo trigêmeo (15%) ou lombossacra (11%) (crédito da foto: iStock)

O risco de herpes-zóster aumenta com a idade, e, por isso, a vacinação é recomendada a partir dos 50 anos de idade. Mas a doença pode, eventualmente, acometer pessoas mais jovens em situações de estresse, ou quem tem a imunidade comprometida em função de outras doenças. O mesmo vale para as complicações.

Segundo a pediatra Michele Berman descreve no site MedPageToday, a síndrome de Ramsay Hunt afeta 5 a cada 100 mil pessoas por ano nos EUA, e representa 7% dos casos de paralisia facial aguda naquele país, sendo mais comum em indivíduos de 60 e 70 anos.   

Vacinas contra o herpes-zóster

Tomar a vacina contra a catapora (varicela) na infância é uma forma de evitar o risco de herpes-zóster e suas complicações, e esse imunizante já faz parte do Programa Nacional de Imunizações (PNI), ou seja, é oferecido de graça aos brasileiros. Mesmo quem tomou pode, ainda assim, ter o vírus reativado no futuro, embora o risco seja mais baixo, por isso o ideal é tomar também, mais tarde, as vacinas específicas contra o herpes-zóster, que só podem ser adquiridas no sistema privado.

Quem já tomou a vacina antiga e quer ter maior proteção pode, sim, tomar a nova. "Ela é indicada para adultos acima de 50 anos, inclusive os que já tomaram a vacina anterior. A vantagem é que pode ser usada também por imunossuprimidos a partir de 18 anos”, explica a dermatologista Adriana Vilarinho, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Academia Americana de Dermatologia (AAD). O tempo de proteção também aumenta, de acordo com ela, dos atuais três anos para mais de 10.

O novo imunizante é feito com vírus inativado, o que ajuda a incluir pacientes imunossuprimidos no esquema vacinal. Maisa Kairalla confirma que quem tomou a vacina anterior pode fazer a nova, desde que respeitando um período em torno de quatro a oito semanas. “A gente considera que você está protegido com a anterior, mas que esta veio para somar, com uma imunidade ainda maior”.