Pular para o conteúdo

Como as pessoas reagem ao ver alguém de máscara

Jairo Bouer

4/08/2020 20:36




Como é que os usuários de máscaras têm sido vistos pelos outros, no atual contexto da Covid-19? Um estudo mostra que algumas características individuais podem gerar reações um pouco diferentes diante dessa cena que tornou-se tão comum por aí.

A pesquisa partiram de uma teoria conhecida como “sistema imunocomportamental”: seres humanos não apenas contam com um sistema biológico que nos protege de doenças, como também aprenderam certos comportamentos, ao longo da evolução, com a mesma finalidade. Em outras palavras, as pessoas ficam atentas e tomam certos cuidados ao ver que alguém está doente ou sangrando.

Costume novo

Em países orientais, o hábito de usar máscara para evitar a poluição ou proteger os outros de uma gripe ou resfriado já está bem arraigado. Já no mundo ocidental, isso não era comum. Além disso, cobrir o rosto pode ser interpretado como uma tentativa de esconder a identidade, o que tem uma conotação negativa.

Por tudo isso, é interessante ver como a pandemia tem influenciado a maneira com que nós, ocidentais, encaramos as máscaras agora. Para isso, pesquisadores colombianos e espanhóis recrutaram 1.054 homens e mulheres de vários países de língua espanhola.

Todos passaram por testes para que fosse identificada a sensibilidade para o nojo, além de níveis de ansiedade social ou de confiança em outras pessoas. Depois, foram submetidos a imagens de estranhos com expressões diversas, com e sem máscaras cirúrgicas, e tinham que dizer o quanto se sentiriam confortáveis em se envolver com eles (se aceitariam uma amizade, uma convivência no trabalho ou como vizinhos, por exemplo).

Nojo, ansiedade ou confiança

Os resultados, publicados em Personality and Individual Differences, revelam que indivíduos mais sensíveis ao nojo foram mais propensos a querer manter distância de pessoas mascaradas, talvez por associá-las à doença. Aqueles com ansiedade social também demonstraram maior desconfiança em relação aos mascarados, assim como uma tendência maior a achar que eles estavam doentes.

Já os participantes que pontuaram bem no teste de confiança social (ou seja, pessoas que por natureza não ficam ansiosas ou desconfiadas ao interagirem com estranhos) foram menos propensos a querer distância dos sujeitos de máscara. Eles também não associaram o uso da proteção com estar doente.

Ao tirar as diferenças individuais de cena, a pesquisa mostrou que os usuários de máscara foram classificados como pessoas mais confiáveis, de um modo geral. Por outro lado, o instinto de manter distância, pela associação com a Covid-19, também prevaleceu.

Para os autores do trabalho, é possível que os julgamentos que as pessoas fazem sobre doenças sejam mais associativos – ao ver uma máscara, elas logo se lembram do risco de adoecer. Já os julgamentos ligados a confiabilidade social envolvem a reflexão – se a pessoa usa a proteção, ela é responsável e leva as normas sociais a sério.

FIQUE POR DENTRO DAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS