Estudo liga infecções a risco mais alto de transtornos mentais

Publicado em Destaque, Notícias

Será que transtornos mentais como esquizofrenia e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) podem ser deflagrados pela reação do organismo a vírus, bactérias, fungos ou parasitas? Pesquisadores têm estudado a ligação entre as doenças da mente e reações inflamatórias há bastante tempo, e até o mal de Alzheimer já foi associado à infecção pelo herpes.

Agora, um estudo recém-publicado em uma prestigiada revista científica de psiquiatria, a Jama Psychiatry, vem reforçar essa conexão. O trabalho, realizado na Dinamarca, chama atenção por envolver um grande número de pessoas: 1,1 milhão, dos quais 42 mil (3,9%) foram hospitalizados por transtornos mentais e quase 57 mil (5,2%), medicados com algum tipo de psicotrópico.

A equipe, do Hospital Universitário de Aarhys, utilizou os registros nacionais para avaliar, ainda, a ocorrência de infecções graves que levam a hospitalizações, como pneumonias e bronquites, e outras mais leves, como doenças causadas por fungos e parasitas.

Embora a maioria das crianças da amostra tenha sido diagnosticada com algum tipo de infecção, apenas cerca de 4% receberam diagnósticos psiquiátricos, como esquizofrenia, ansiedade, transtorno de deficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e transtornos de personalidade.

Mas os pesquisadores descobriram que as crianças hospitalizadas por causa de alguma infecção apresentaram um risco 84% maior de ser diagnosticadas com um transtorno mental mais tarde. Elas também tiveram uma probabilidade 42% maior de receber um medicamento para essas condições.

Infecções menos graves, tratadas com antibióticos, antivirais, antifúngicos ou antiparasitários foram associadas a um risco 40% maior de transtorno mental. Os autores também descobriram que o risco era maior nos primeiros três meses após a infecção. E quanto mais severo o quadro, maior era o risco.

Para tentar obter dados mais confiáveis, a equipe decidiu levar em consideração questões genéticas. Os autores compararam os resultados com os de 800.000 irmãos da amostra. Em outras palavras, eles compararam irmãos que tiveram infecções com aqueles que não tiveram. Ao fazer a análise, o risco de ser diagnosticado com um transtorno mental após uma hospitalização caiu de 84% para 21%. O fato de a propensão não ter caído para zero reforça a ideia de que essa ligação entre sistema imunológico e cérebro faz sentido, segundo os autores.

Outros estudos mais antigos, inclusive um feito por integrantes da mesma equipe, já haviam associado hospitalizações por infecções e doenças autoimunes com a ocorrência de transtornos de humor, como a depressão e a doença bipolar, em adultos. Também há algumas evidências de que filhos de mulheres que contraíram gripe na gravidez teriam uma propensão mais alta à esquizofrenia.

É preciso deixar algo bem claro aqui: o estudo dinamarquês, assim como diversos outros do tipo, são observacionais, e não comprovam a relação entre causa e efeito. Mas os pesquisadores têm algumas teorias para explicar os possíveis mecanismos que tornariam indivíduos acometidos por infecções mais vulneráveis a doenças mentais.

Uma das alegações é que muitos micro-organismos são capazes de atingir o cérebro, como o parasita que provoca a toxoplasmose e o próprio herpes vírus. Outra possível explicação é que medicamentos como os antibióticos modificam a flora intestinal, e isso teria repercussões. Não é à toa que o intestino é chamado de “segundo cérebro”: boa parte da serotonina, um neurotransmissor associado ao bem-estar, é produzida ali.

Se essas conexões forem confirmadas, é possível que um dia a gente tenha medicamentos mais eficazes para os transtornos psiquiátricos, e quem sabe até meios de evitar esses males, que causam tanto sofrimento.