Bissexuais sofrem mais, e estudo tenta mostrar por quê

Publicado em Destaque, Notícias

Um estudo com mais de 2.600 bissexuais realizado na Austrália mostra que a falta de apoio e compreensão por parte da sociedade e até dos parceiros românticos tem um forte impacto no bem-estar e na saúde mental desses indivíduos.

A pesquisa é considerada a maior feita até hoje com bissexuais, e foi promovida pelo grupo de suporte e educação Bi+ Austrália. Os resultados foram analisados por pesquisadores da Universidade La Trobe, e divulgados no periódico Australian Journal of General Practice.

Nos últimos anos, diversos estudos têm chamado a atenção para os problemas de saúde mental enfrentados por gays, lésbicas e bissexuais, e a equipe decidiu investigar por que essa última população tem sido apontada como a que mais apresenta sofrimento psicológico.

O estudo constatou que um em cada quatro bissexuais já havia tentado suicídio, uma proporção muito preocupante. Quase 80% já tinham pensado na ideia de se matar ou de se machucar. Mais de 60% dos participantes apresentaram um nível alto ou muito alto de estresse psicológico, e 40% relataram ter enfrentado depressão no passado.

Os pesquisadores descobriram que o sofrimento é ainda maior para indivíduos transgênero que também são bissexuais – os resultados dessa análise específica serão divulgados nos próximos meses.

O estudo identificou três principais fatores associados a problemas de saúde mental entre os bissexuais. O primeiro foi estar em um relacionamento heterossexual. O segundo, perceber a própria sexualidade como “ruim” ou “errada”. O terceiro foi a falta de apoio e compreensão por parte dos parceiros.

Os autores observam que muitos bissexuais sofrem discriminação não só da população heterossexual, como também de gays e lésbicas. Na cabeça de muita gente, não faz sentido ter desejo tanto por homens quanto por mulheres, o que faz com que os bissexuais sintam sua identidade anulada.

Além disso, parceiros românticos de indivíduos bissexuais podem ter uma tendência maior a sentir ciúme ou insegurança, o que aumenta o risco de conflitos. Se relacionamentos funcionam como fator de proteção para gays e lésbicas que sofrem com o preconceito, bissexuais podem não ter esse benefício.

Se sentir diferente das outras pessoas não é fácil, mas não deixe de procurar ajuda se isso causar dor ou atrapalhar a sua vida.