Se estiver de ressaca, é melhor não dirigir

Publicado em Destaque, Notícias

Crédito: Fotolia

Crédito: Fotolia

Você é do tipo que só bebe nos fins de semana, e se orgulha por nunca pegar o carro logo em seguida? Muito bem. Mas se você está preocupado com a sua integridade e também das pessoas que pegam carona com você, saiba que o estrago que o álcool provoca na capacidade de concentração pode durar mais do que se imagina.

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Bath, no Reino Unido, fez uma análise minuciosa de estudos sobre beber e dirigir e concluiu que as deficiências no estado de atenção provocadas pela embriaguez permanecem no dia seguinte ao consumo, quando quase não há mais resquícios de álcool no sangue.  As informações foram publicadas no periódico Addiction.

Isso significa que uma noite de sono e um bom café da manhã podem não ser suficientes para combater a ressaca e restaurar todos os seus reflexos para dirigir com segurança. E seu desempenho também estará ameaçado se você vai realizar qualquer outro tipo de tarefa que exige concentração e destreza, como fazer uma prova ou executar um procedimento médico.

Os autores chamam atenção para o fato de que tanto as leis de trânsito quanto as políticas sobre uso de álcool no trabalho raramente levam em conta os efeitos do álcool no dia seguinte ao consumo. Para eles, já existem evidências suficientes para que essas diretrizes de segurança sejam revisadas, a fim de proteger terceiros.

Pesquisas feitas no Reino Unido indicam que o absenteísmo no trabalho causado pela ressaca custe cerca de 1,9 bilhão de euros ao país. Mas os pesquisadores observam que há poucos estudos focados na perda de produtividade, uma vez que ir ao trabalho no dia seguinte a uma bebedeira muitas vezes equivale a não ir. O prejuízo, portanto, deve ser bem maior.

A revisão, que incluiu 19 estudos, mostrou que a ressaca do dia seguinte prejudica a velocidade psicomotora, a memória de curto e longo prazo e a atenção sustentada. Mas ainda são necessárias mais pesquisas para confirmar todos esses efeitos e determinar quanto tempo eles duram.

No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, são registradas mais de 37 mil mortes por acidentes de trânsito ao ano, e o consumo de álcool está entre os principais responsáveis por esse número, ainda que a multa para quem dirige embriagado seja alta. Para se proteger, não adianta só ficar longe da direção depois de beber. É bom não dirigir de ressaca, também.