Mais um candidato a Viagra feminino no horizonte

Publicado em Destaque, Notícias

Crédito: Fotolia

Crédito: Fotolia

Mais um medicamento que traz esperança às mulheres que sofrem de problemas sexuais foi submetido à agência regulatória norte-americana, o FDA (Food and Drug Administration), este mês. A substância, chamada bremelanotida, age no sistema nervoso central e parece interferir nos níveis de dopamina, um neurotransmissor importante para a excitação.

O remédio estava sendo testado como pílula de bronzeamento, nos anos de 1980. Não surtiu efeito, mas apresentou um interessante efeito colateral: ereções espontâneas nos homens que a consumiram. Na ausência de qualquer luz no horizonte feminino, a Palatin Technologies decidiu investir na ideia de transformá-lo em um tratamento contra a disfunção sexual feminina.

Nos ensaios clínicos de fase 3, que foram concluídos recentemente, o medicamento apresentou resultados superiores ao placebo em relação a melhora no desejo e diminuição do estresse provocado pela falta de libido durante as relações. Ao todo, 1.200 mulheres participaram dos experimentos, que duraram 24 semanas.

Os principais efeitos colaterais registrados, segundo a farmacêutica, foram náusea, dor de cabeça e vermelhidão no rosto. A droga é injetável, o que não é lá muito convidativo, e deve ser aplicada 45 minutos antes do sexo. Mesmo assim, a empresa diz que 80% das participantes pediram para continuar no período de extensão pelo estudo, por mais 52 semanas.

A promessa de um Viagra feminino ainda parece distante. Em 2015, os EUA aprovaram um outro medicamento, o flibanserin,  que atua nos níveis de serotonina. A droga chegou ao mercado cheio de reticências, e o cenário não mudou muito. Uma reportagem do jornal britânico Daily Mail mostra que apenas 10% das usuárias relataram algum aumento nos níveis de satisfação sexual. Os efeitos colaterais também foram náusea e dor de cabeça.

Um estudo publicado há algum tempo no British Medical Jornal constatou que mais de um terço das mulheres de 16 a 74 anos ficou sem sentir interesse em sexo por pelo menos três meses no ano enterior às entrevistas. O trabalho contou com 5.000 delas. Quem acertar nesse alvo vai ficar milionário, sem dúvida.

Por enquanto, os conselhos são os tradicionais: investir no relacionamento, relaxar mais e dormir melhor, fazer exercícios (sim, eles ajudam muito no prazer!), conhecer o próprio corpo e, no caso de quem chegou à menopausa, discutir opções de tratamentos específicos para sintomas como ressecamento vaginal.

 

 

.