Estudo explica por que as lésbicas têm mais orgasmo que as heterossexuais

Publicado em Notícias

LESBICAS700

Um estudo, publicado no Archives of Sexual Behavior, mostra que muitos homens ainda estão longe de entender o corpo da mulher. Enquanto 86% das lésbicas dizem chegar ao orgasmo na maioria das relações, apenas 65% das heterossexuais e 66% das bissexuais afirmam o mesmo.

Muita gente já dizia que transar com alguém do mesmo sexo aumentaria as chances de chegar ao orgasmo, já que uma mulher saberia melhor como dar prazer a outra. Mas isso foi confirmado num trabalho que contou com mais de 52 mil adultos de diferentes orientações sexuais nos Estados Unidos.

Entre os homens, as diferenças são menos contrastantes: 95% dos heterossexuais dizem chegar “lá” quase sempre, enquanto 89% dos gays e 88% dos bissexuais afirmam o mesmo.

Os pesquisadores, das universidades norte-americanas de Indiana, Chapman e Claremont, também analisaram os fatores que levam as mulheres a ter orgasmo com mais frequência. São eles: receber mais sexo oral, ter uma relação mais demorada, estar satisfeita com o relacionamento, pedir aquilo que quer na cama, elogiar o parceiro ou parceira quando gostou de algo na cama, trocar mensagens estimulantes sexualmente, caprichar na lingerie, tentar novas posições sexuais, receber estimulação anal, realizar fantasias, conversar sobre sexo e expressar afeto durante as relações.

As entrevistadas com maiores índices de “sucesso” nas relações também contaram que, além de receber mais sexo oral, eram mais estimuladas com as mãos e recebiam beijos (de língua) mais intensos durante a transa.  Os resultados servem de recado para homens que reclamam da dificuldade de levar a parceira ao clímax, e podem ajudar muitas mulheres que não conseguem chegar lá.

Um dado curioso, segundo os pesquisadores, é que o sexo oral foi considerado um fator importante para a frequência do orgasmo em todos os grupos, exceto o dos homens heterossexuais. Outra descoberta interessante é que, apesar do resultado anterior, o sexo oral não está tão presente assim nas relações: apenas metade dos entrevistados afirmaram fazê-lo com frequência. Apenas 25% das mulheres com dificuldade para alcançar o orgasmo recebiam sexo oral.

Os autores trazem algumas explicações para as diferenças, como o estigma que ainda existe em relação a mulheres que expressam seu desejo sexual, e a pressão que os homens sentem para exercer o papel de ativos no sexo. Eles também observam que, segundo teorias evolucionistas, o orgasmo seria “obrigatório” para os homens, por causa da reprodução, enquanto que, para as mulheres, teriam mais a função de estabelecer laços mais fortes com os parceiros.

Já que as necessidades, hoje em dia, são bem diferentes, e as pessoas têm muito mais informação sobre sexo, dicas como as que o estudo traz podem contribuir para que, no futuro, as lacunas entre homens e mulheres sejam menores. De qualquer forma, é bom lembrar que orgasmo é importante, mas a obsessão em chegar lá sempre pode até atrapalhar na hora do sexo.