Estresse na adolescência dificulta vida sexual, sugere estudo com ratos

Publicado em Notícias

DEPRESSAO700

Será que cidades violentas podem interferir na capacidade reprodutiva de seus habitantes?  E será que um jovem que foi hostilizado pelos colegas na escola pode ser menos bem-sucedido na hora de buscar parceiras sexuais? Um grupo de pesquisadores descobriu que isso acontece, de uma certa forma, para os ratos – a preferência sexual das fêmeas é influenciada pelo histórico de estresse e pelo status social dos machos.

A equipe conta com psicólogos das universidades Binghamton e do Estado de Nova York, nos Estados Unidos, e da Universidade Brock, em Ontario, no Canadá. Eles dizem que ratos submetidos a estresse durante a adolescência exercem menor poder de atração nas fêmeas jovens, especialmente se assumirem uma posição de submissão em relação ao grupo depois do ocorrido.

Os pesquisadores chegaram às conclusões após uma série de experimentos com diferentes ratos agrupados, sendo que alguns dos machos tinham sido submetidos ao estresse quando jovens e tornaram-se mais submissos depois do ocorrido, ou reagiram melhor e assumiram uma postura dominante.

Segundo a equipe, as fêmeas são capazes de identificar os animais que passaram por estresse na adolescência, e escolhem aqueles que reagem melhor. Em outras palavras: o status dominante funciona como fator de proteção para animais que passaram por situações de tensão extrema. Isso já tinha sido comprovado em macacos, afirmam os autores em artigo publicado no periódico científico Hormones and Behavior.

Os pesquisadores acreditam que o trabalho pode ajudar a compreender melhor os efeitos do estresse ambiental sobre a reprodução humana, e talvez até explicar alguns casos de infertilidade. O grupo, liderado por Nicole Cameron, agora pretende estudar a capacidade reprodutiva de animais que receberam pouco cuidado materno, bem como sua capacidade de aprendizado e memória.