Conflito trabalho-família também causa sofrimento aos homens

Publicado em Notícias

jovempai700

Entre mulheres que trabalham, é comum a angústia por não poder se doar mais para a família, nem para a carreira. E ainda ter de fazer o possível para separar uma coisa da outra. Mas se engana quem acha que esse sofrimento é exclusivo delas. De acordo com uma pesquisa publicada na revista da Associação Americana de Psicologia, os homens têm conflitos semelhantes, só não costumam se manifestar sobre o assunto.

A conclusão é de pesquisadores da Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos, que levaram anos para analisar mais de 350 estudos realizados nas últimas três décadas, envolvendo mais de 250 mil pessoas. Eles perceberam que, embora as pessoas, em geral, entendam que é tranquilo para os homens se dedicar mais ao trabalho que para a família, a equipe descobriu que ambos têm nível muito parecido de sofrimento.

Alguns dos trabalhos indicaram que os homens não se sentem à vontade para discutir esses conflitos, a não ser de forma confidencial. Isso acontece porque eles têm medo de que isso seja interpretado como um sinal de fragilidade, ou que tenha uma repercussão negativa na carreira. Afinal, alguns empregadores podem achar que um funcionário muito “família” não tem condições de assumir um cargo com mais responsabilidades e viagens, por exemplo – algo que acontece com muitas mulheres.

De algumas décadas para cá, tem aumentado o número de pais que assumem o cuidado dos filhos e as tarefas domésticas, embora as mulheres ainda acumulem a maior parte do trabalho. Reconhecer que os homens também são penalizados pode abrir caminho para que, no futuro, eles tenham direito a licenças-paternidade ou horários mais flexíveis, o que, no final das contas, vai beneficiar também as mulheres e as crianças.