Chega de machismo: homem também sofre depois de abuso sexual

Publicado em Notícias

alcooltrabalho700

Homens são vítimas do machismo, quando o assunto é abuso sexual. Segundo o senso comum e várias pesquisas científicas, passar por esse tipo de situação causa mais trauma emocional para as mulheres, e maior vulnerabilidade à depressão. Mas cientistas das universidades Atlantic Florida e de Sam Houston, nos Estados Unidos, acabam de derrubar esse mito.

Ser abusado sexualmente, o que pode ou não incluir estupro, pode desencadear uma série de consequências negativas, como depressão, transtorno de estresse pós-traumático, medo, ansiedade, dependência de álcool e drogas, suicídio ou ideação suicida. Isso já foi comprovado por inúmeros estudos.

De acordo com uma teoria bastante aceita por sociólogos e criminalistas, enquanto as mulheres são mais propensas a responder a experiências de abuso sexual com sintomas de depressão e tristeza, os homens tendem a reagir com atividades criminosas. Mas a verdade é que, até hoje, praticamente não havia trabalhos sobre os problemas enfrentados por homens adultos abusados sexualmente, com exceção dos encarcerados.

Após analisarem dados de uma grande pesquisa nacional sobre violência, com uma amostra de 5.992 homens e 5.938 mulheres, os pesquisadores descobriram que essa teoria pode estar furada. Para eles, o fato de os trabalhos terem enfatizado mais os abusos ocorridos na infância, ou nas cadeias, pode ter distorcido a visão sobre o tema.

Na nova análise, ficou claro que o abuso sexual é igualmente traumático para homens e mulheres, e causa depressão em ambos – numa frequência bem maior que na população que não enfrentou esse tipo de violência. E mais: muitos homens até sofrem mais com o transtorno porque carecem das redes e sistemas de apoio existentes para o sexo feminino. Os resultados foram publicados na revista científica Woman & Criminal Justice.

Para os pesquisadores, tanto a violência sexual quanto os sintomas depressivos são subestimados na população masculina, e a culpa é de uma noção antiquada de que homens e mulheres experimentam emoções de forma diferente.

O levantamento apontou que em 1980, os homens representavam de 1 a 10% dos registros de estupro em hospitais e ambulatórios. Em 1997, eles compunham de 5 a 10% dos registros. De lá para cá, no entanto, a proporção de relatos de homens abusados sexualmente passou para cerca de 38%, sendo que os militares são os mais vulneráveis a esse tipo de violência e também os menos propensos a denunciar.

Os pesquisadores lembram que toda depressão não tratada aumenta a vulnerabilidade para o uso abusivo de álcool e drogas, o que só piora o problema e alimenta a epidemia de dependência. Por isso, eles defendem que o machismo seja deixado de lado, para que os homens também tenham o direito de receber o suporte necessário para vencer as consequências do abuso sexual.